quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Coxinha Du Chef inaugura primeira franquia no Rio de Janeiro

Nova loja aberta no Saara supera expectativas de vendas no primeiro mês

Famosa pelos sabores diferentes e por ser o lanche certo de quem passa a pé por ruas comerciais, próximas a terminais de ônibus, Coxinha Du Chef  - rede de fast food de coxinhas servidas no cone – inaugura sua primeira loja no Rio de Janeiro, no bairro do Saara, maior centro comercial da cidade. Agora, os cariocas também podem aproveitar as deliciosas Coxinhas de Brigadeiro, Parmegiana e claro, a clássica de frango,  entre outros sabores gourmets, na loja instalada na Rua Senhor dos Passos, 208. 

Com menos de um mês com as portas abertas, Antônio de Almeida Filho, 64 anos, Engenheiro Eletrônico, seu filho Fábio Almeida, 33 anos, designer e um amigo, Élder de Sousa Neves, 31 anos, Administrador de Empresas, resolveram juntar dinheiro para investir no próprio negócio e escolheram a Coxinha du Chef , devido à alta alta rentabilidade da franquia. “Estamos surpresos, abrimos a loja e dezembro e o movimento está bombando aqui, superamos as expectativas de vendas”, comemora Anônio Almeida.

Os produtos são todos servidos em cones de 6 ou 12 unidades: coxinhas salgadas (4 sabores – frango, calabresa, queijo, bife à parmegiana, kibe com queijo e hot dog – cone com 12 unidades), , a linha gourmet (carne louca, frango com catupiry e camarão – cone com 6 unidades) e as coxinhas doces (2 sabores – doce de leite e brigadeiro – cone com 6 unidades). O cone com 6 unidades das coxinhas doces custa R$ 4,00 e os cones das coxinhas gourmets, também com 6 unidades, custa R$ 7,00. Já as demais coxinhas, servidas no cone com 12 unidades, custam R$ 4,50.

Coxinha Du Chef – Rio de janeiro (Saara)

Rua Senhor dos Passos, 208
Tel.: (21) 3852-7264

Franqueadores adotam medidas para enfrentar a falta de água e energia e não afetar a produtividade da rede

Dídio Pizza e Mr. Cheney preparam-se para não amargar prejuízos com a crise em vários Estados brasileiros


    Redes de franquias, principalmente as do setor de Alimentação, que não adotaram medidas para enfrentar a falta de energia e de água, correm o risco de terem altos prejuízos com perdas de mercadorias e falta de produtividade. Mas as redes Dídio Pizza – pizzaria delivery e Mr. Cheney – fast food de cookies, se anteciparam às consequências desta crise, que vem assolando diversas cidades do país e adotaram medidas simples, porém altamente eficazes para proteger os franqueados.

    A Dídio Pizza, por exemplo, há 4 anos vem se preparando para blindar a rede da falta de luz. Como a entrega de pizzas é basicamente feita no período noturno, onde a produção está a todo o vapor e os insumos e ingredientes, na sua maioria, são mantidos em refrigeradores e freezers, instalou geradores em todas as lojas. “Há 4 anos, eu lia matérias que falavam de uma possível crise no sistema de energia do país por conta do crescimento acelerado. Como uma rede de pizzarias poderia funcionar sem energia? E os estoques? A solução foi a implantação de geradores em todas as unidades da rede e a decisão de que dali em diante nenhuma Dídio Pizza inauguraria sem um gerador a postos.
    Talvez o país não tenha crescido tanto assim, mas a crise energética se confirmou e a Dídio Pizza está preparada. Mesmo com os constantes apagões e queda de energia durante temporais em São Paulo, o investimento em prevenção se mostrou um bom negócio. De dezembro para cá o empresário conta que 70% de suas lojas já recorreram os geradores e chegaram a operar mais de um dia inteiro usando o equipamento. “Fiquei triste ao ver os vizinhos de minha unidade, como padarias e restaurantes, jogarem quase todo o estoque de alimentos fora e terem que alugar às pressas um gerador, pagando uma fortuna. Segui minha intuição me preparei, mesmo aguentando muita gozação de pessoas que me chamavam de exagerado”, conta Biazini.

    Na Mr. Cheney, rede especializada em cookies e doces americanos, a prevenção foi mais direcionada à falta de água. Como além da rede de lojas, a empresa também possui a fábrica, que abastece os franqueados, a falta de água seria fatal para comprometer a produção e a entrega dos produtos. Lindolfo Paiva, proprietário do negócio, resolveu então adotar as seguintes medidas:
Na fábrica:
•    Diminuiu de 2 para apenas 1 turno de funcionários.
•    Alterou o processo de rotina de higienização de todo maquinário e utensílios (como lavagem a seco e/ou panos úmidos).
•    Alterou a frequência das limpezas mais profundas (antes a fábrica era toda higienizada em cada troca de turno e, com a diminuição de 1 turno, a frequência da higienização também diminuiu)
•    Introduziu água quente no processo de higienização para facilitar a limpeza e, desta forma, utilizar menos água.
•    Está utilizando mais utensílios descartáveis.
•    Instalou sanitários econômicos.
•    Trocou 1 caixa d’água pequena por duas maiores (de 2.500 litros cada)
•    Reativou 1 caixa d’água de 10.000 litros
Nas lojas:
•    Comprou lava louças econômicas para auxiliar nos processos de higienização
•    Tem como próxima meta a instalação de temporizadores para todas as torneiras

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Onde tem um supermercado, pode ter uma franquia da Mr. Kids


Rede de franquias de máquinas de brinquedos e doces já tem mais de 700 pontos comerciais em super e hipermercados negociados para franqueados instalarem suas máquinas e começarem a ganhar dinheiro rapidamente



A Mr. Kids – rede de franquias de máquinas de brinquedos e doces – já possui mais de 700 pontos dentro de super e hipermercados para que novos empreendedores e franqueados já existentes possam começar a ganhar dinheiro imediatamente com os produtos destinados às crianças. Através de acordos com grandes redes, como Wall Mart, Extra, Pão de Açúcar, Big, Bom Preço, Carrefour e outras, a rede garante antecipadamente que os franqueados já tenham locais em suas cidades que estão aguardando para começar a vender os produtos. “Os supermercados e hipermercados são locais de grande circulação de pessoas, principalmente de crianças acompanhadas dos pais, que costumam pedir moedinhas para retirar as bolinhas, adesivos e doces, garantindo uma rápida receita para os franqueados”, comenta Antonio Chiarizzi Junior, diretor da Mr. Kids.

Os pontos disponíveis estão assim distribuídos: São Paulo e Grande São Paulo (134 pontos nas redes Extra e Pão de Açúcar), Interior de São Paulo e Litoral (105 pontos também entre as redes Extra, Pão de Açúcar bem como toda rede Carrefour), Nordeste (249 pontos na rede Bom Preço, Maxx, Todo Dia e San’s ) e Região Sul (210 pontos distribuídos entre as redes Maxx, Todo Dia, Big, Wall Mart, Nacional, Mercadorama e Extra).

Para garantir qualidade e diferenciais no mercado, a empresa possui um acordo de importação com a fabricante das máquinas Beaver do Canadá, que fornece os equipamentos para a Mr. Kids. “Entre a criançada, os produtos fazem o maior sucesso, pois tivemos o cuidado de trazer itens colecionáveis e com licenciamento profissional de personagens, como os da linha da Dream Works, Garfield, Warner, Disney, SBT  entre outros, todos com certificação do INMETRO e ANVISA. Nosso público consumidor já chega a 200 mil pessoas por mês”, detalha ele.

Com um investimento de apenas R$ 18 mil (R$ 8 mil a Taxa de Franquia, R$ 9 mil inicialmente para a compra de equipamentos e R$ 1.000,00 para o estoque inicial de produtos), já é possível iniciar o negócio. Dependendo do número de máquinas e dos modelos escolhidos pelos franqueado, cujos preços variam de R$ 1.185,00 a R$ 8.920,00, o faturamento mensal pode variar de R$ 2.450,00 a R$ 40 mil ou mais. Mas é na rentabilidade que está o grande retorno: de 40 a 50% sobre o faturamento, uma das maiores do mercado. “Como não cobramos Royalties e não há a necessidade do franqueado ter um ponto comercial nem funcionários, os ganhos são muito interessantes”, completa Chiarizzi.

Este ano, a meta da empresa é abrir 50 novas franquias em todo o território nacional. A Mr. Kids faturou R$ 3,6 milhões no ano passado e a expectativa é um crescimento de 40% até o final de 2015.

Mr. Kids – Ficha Técnica
Investimento Total: R$ 18 mil
Taxa de Franquia: R$ 8 mil
Taxa de Royalties: não cobra
Taxa de Propaganda: não cobra
Faturamento médio mensal: de R$ 2.450,00 a R$ 40 mil ou mais
Lucratividade: de 40 a 50%
Número de Funcionários: 0
Retorno do Investimento: 15 meses
Prazo do contrato: 3 anos
Contato da Franqueadora: franquia@mrkids.com.br ou 11 5058-2111


segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Franquia de Micropigmentação lançada em 2014 amplia treinamento do franqueado para 60 dias


Com 2 unidades próprias em São Paulo e 2 franquias já comercializadas, a VS CLÍNICAS DE MICROPIGMENTAÇÃO, reestrutura treinamento para franqueados e introduz o laser na finalização de todos os tratamentos

    A VS CLÍNICAS DE MICROPIGMENTAÇÃO, pioneira em técnicas de micropigmentação no Brasil para calvície, estrias, manchas de pele, sobrancelhas, olheiras e outras imperfeições, acaba de reestruturar todo o seu treinamento para iniciar a expansão de franquias em todo o Brasil. Lançada oficialmente como franquia no ano passado, a clínica, da especialista Vanessa Silveira, agora conta com 2 etapas de treinamento para quem deseja abrir uma unidade da rede: 30 dias em São Paulo, com curso intensivo de micropigmentação e mais 30 dias de acompanhamento do franqueado em sua unidade. O objetivo é garantir que todos os procedimentos tenham o mesmo padrão rigoroso de qualidade em todas as clínicas da rede.

    Com duas unidades próprias na cidade de São Paulo, a VS CLÍNICAS DE MICROPIGMENTAÇÃO acaba de comercializar 2 franquias: uma em Porto Alegre, que deve seu inaugurada em fevereiro deste ano e outra em Campo Grande/MS. Para 2015, a meta da empresa é a abertura de 15 novas unidades, em diversas capitais do país e 161 franquias em 5 anos. No ano passado, apenas com 2 clínicas em funcionamento, a rede atingiu um faturamento de R$ 1,6 milhão.

    O modelo de clínica da franquia é compacto – cerca de 100 m² - e formatado para lojas de rua ou galerias comerciais em bairros bem localizados. Possui uma recepção e no mínimo 2 salas para os procedimentos. Está projetada para realizar cerca de 80 atendimentos por mês, com um faturamento que varia entre R$ 50 e R$ 70 mil mensais.

    A franquia da VS CLÍNICAS DE MICROPIGMENTAÇÃO vai atender pessoas de 25 a 70 anos das classes A, B e C, pela gama de serviços oferecidos na área da micropigmentação, que buscam pequenos tratamentos com grandes resultados. “Atendemos homens e mulheres que querem solucionar calvícies sem a realização de implantes, falhas em suas sobrancelhas, estrias, rugas de expressão, ou até a realização da maquiagem definitiva, além de cobrir manchas e cicatrizes e outras técnicas”, explica Vanessa Silveira.

    O investimento para abrir uma franquia da VS CLÍNICAS DE MICROPIGMENTAÇÃO é de R$ 110 mil, mas a grande vantagem é a lucratividade – 31% para o franqueado, já que o lucro depende exclusivamente do serviço e não de produtos. “Fizemos o possível para que o investimento da franquia não ultrapassasse este valor, pois nosso interesse é no faturamento do franqueado, que na nossa opinião, vai surpreender muito em diversas localidades do país”, conclui Vanessa.

Vanessa Silveira
    Formada em Relações Públicas, com especialização em Etiqueta Corporativa, Vanessa Silveira sempre foi apaixonada pelo mercado de Estética e foi estudar no exterior as técnicas de micropigmentação para cobertura de áreas da pele ou remoção de imperfeições, ainda desconhecidas no Brasil. Passou a criar técnicas próprias para Micropigmentação Capilar e Paramédica e, mais recentemente, a Micropuntura, tornando-se sendo referência no país neste mercado. 

    Em 2010 abriu sua primeira clínica, no bairro do Morumbi, em São Paulo e no ano passado inaugurou sua segunda unidade, no tradicional bairro da Vila Madalena. Hoje Fez alguns cursos fora do Brasil e No início deste ano resolveu investir na formatação da empresa franqueadora e agora vai levar seu método exclusivo para todas as capitais do país e cidades com no mínimo 150 mil habitantes.

VS CLÍNICAS DE MICROPIGMENTAÇÃO – Ficha Técnica:
Investimento total (com a Taxa de Franquia incluída): R$ 110 mil
Taxa de Franquia: R$ 40 mil
Taxa de Royalties: 8% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda: 3% sobre o Faturamento Bruto
Capital de Giro: R$ 20 mil
Faturamento médio mensal: R$ 50 mil a R$ 70 mil
Lucratividade: 31%
Número de funcionários: 3 a 4
Retorno do investimento: 15 a 24 meses
Prazo do Contrato: 5 anos

Informações sobre a franquia: www.vanessasilveira.com.br

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Park Idiomas aposta em método exclusivo de ensino e forte expansão onde já é conhecida para abrir mais 24 franquias em 2015

Método que segue o mesmo aprendizado natural do ser humano em todas as línguas – primeiro falar fluentemente e depois escrever – já conquistou mais de 8 mil alunos e vai abrir 94 unidades nos próximos 3 anos


    A PARK IDIOMAS – rede franquias de escolas de inglês criada em Uberlândia/MG está apostando numa expansão que pretende atingir 94 unidades daqui a 3 anos. Com apenas 40 lojas em 2014, faturou R$ 16 milhões. Até o final deste ano, quando a rede deve chegar a ter mais 24 escolas em funcionamento, este número deve crescer 18% segundo os sócios da empresa.

     Sua meta de crescimento segue os ensinamentos dos mais renomados especialistas em Franchising, que indicam a expansão em espiral como a mais profissional neste mercado. Sendo assim, a rede aposta em cidades que estão em Estados onde a marca já é bastante conhecida. Em Minas Gerais, por exemplo, onde a Park Idiomas já possui 17 escolas em funcionamento, a rede traçou um plano para atingir este ano mais 18 cidades mineiras potenciais. “Em seguida, fica mais fácil chegar ao Estado de Goiás, onde pretendemos ter 4 unidades e crescer no Estado de São Paulo, onde já possuímos 12 escolas e mapeamos mais 23 cidades para trabalharmos este ano”, explica Eduardo Pacheco, sócio proprietário da Park Idiomas, que também está presente nos Estados da Bahia e Paraná e Distrito Federal.  

    Outro grande diferencial da Park Idiomas é a alta lucratividade do franqueado, que é uma das maiores do mercado de ensino de idiomas e um dos fatores que mais têm atraído novos investidores segundo Pacheco. “Com 300 alunos, é possível alcançar uma rentabilidade de 30% ao mês, em relação ao faturamento médio mensal, que varia de R$ 50 mil a R$ 90 mil, dependendo da localidade”, completa ele.

Método inédito e exclusivo:
Desenvolvido a partir da ferramenta japonesa para desenvolvimento de produtos inovadores chamada quality function deployment (QFD), o fundadores da Park Idiomas, Eduardo Pacheco e Paulo Arruda conseguiram identificar o que as pessoas desejam de um curso de idiomas. O QFD apontou que, em primeiro lugar, as pessoas desejam falar outro idioma com  autoconfiança. Em segundo lugar, rapidez no aprendizado e, em terceiro lugar, querem sentir prazer ao estudar inglês, já que consideravam as aulas tradicionais muito “chatas.” A partir daí,  o Método Park foi criado e, para responder a essas três necessidades essenciais, ele se baseia, principalmente, nos processos através dos quais os serem humanos aprendem a falar a língua materna, o qual é natural, ou seja, primeiro falando e depois de absorvido o vocabulário é que aprendem a ler e a escrever. “Quando bebês, primeiramente ouvimos e reproduzimos sons, depois disso, associamos os sons a seus significados, conforme nossas experiências de vida e, assim, começamos a formar as frases e a nos comunicarmos. Somente depois, aprendemos a ler e escrever. Além disso, só nos envolvemos com o entendimento da gramática de nossa língua materna depois que já somos adolescentes e já falamos fluentemente”, explica Pacheco.

    A outra ferramenta utilizada para a criação do método é teoria da Análise Transacional, que desencadeia nos alunos a sensação de prazer, porque sacia as fomes psicológicas deles. “A Análise Transacional aponta como nós, seres humanos, sentimos prazeres psicológicos ao nos relacionarmos e saciarmos as nossas fomes psicológicas por estímulo, reconhecimento, estruturação de tempo, acontecimentos novos seguidos, liderança e posição existencial, bases de nosso método de ensino”, completa Pacheco.

Park Idiomas – Ficha técnica
Investimento total: R$ 105 mil a R$ 240 mil
Capital de Giro: R$ 25 mil a R$ 40 mil
Taxa de Franquia: R$ 25 mil
Taxa de Royalties: R$ 2.410,77 fixos mensais
Taxa de Propaganda: 3% sobre o faturamento bruto
Faturamento médio mensal: R$ 50 mil a R$ 90 mil
Ticket médio: R$ 230,00
Lucratividade: 30% ao mês
Retorno do Investimento: até 24 meses
Metragem mínima da franquia: 85 m²
Número de Funcionários: mínimo de 5
Prazo de contrato: 5 anos
Informações sobre a franquia: www.parkidiomas.com.br

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Empresário de rede de escolas de idiomas lança livro para ajudar outros empreendedores a alcançarem o sucesso

“Inteligência Volitiva” é a característica identificada por Eduardo Pacheco, proprietário da Park Idiomas, que está presente em todos os empreendedores de sucesso


    Onze anos de total imersão no mundo das franquias, em busca do aprimoramento e de um modelo ideal de gestão para o seu negócio, permitiram que Eduardo Pacheco, presidente da Park Idiomas, acompanhasse de perto o desempenho e o perfil de centenas de empreendedores por todo o mundo. Foi quando percebeu que, embora essenciais, as inteligências racional e emocional presentes nessas pessoas não garantiam o sucesso destes empreendedores. Além de um QI elevado e de um comportamento que permitisse o exercício da liderança pelo amor, uma terceira competência estava presente entre os empreendedores bem-sucedidos: a inteligência volitiva, uma teoria criada pelo empresário que foi a responsável pelo desempenho de sua rede, que já fatura R$ 15 milhões anuais.

    Basicamente, a teoria da Inteligência Volitiva possui o foco no poder de realizar. E pode ser aplicada na prática, se o empreendedor unir seu inconformismo com sua paixão pelo negócio e conseguir implementar na prática a realização de seu sonho. “Não basta ser uma pessoa que tenha boas ideias. O diferente é ser alguém que as realize. Uma ideia é o início , mas por si só, não transforma nada”, explica Eduardo Pacheco, que em sua obra, além de contar toda a trajetória da criação e sucesso de sua empresa, traz dicas práticas que ajudam o leitor a:

 
•    Construir uma vida pautada na prosperidade
•    Decidir a empreender, identificando o seu potencial
•    Eliminar os medos que bloqueiam suas realizações
•    Selecionar uma equipe com caráter endoempreendedor
•    Desenvolver um estilo de liderança que fomenta realizações
•    Decidir sobre como e onde empreender
•    Absorver um comportamento voltado para a produtividade, entre outras.

Eduardo Pacheco é Economista, autor do método exclusivo de ensino do idioma Inglês da Park Idiomas, rede de franquias com 40 unidades e criador da teoria Inteligência Volitiva para o sucesso do empreendedorismo.

O livro está disponível para download e gratuito. Basta acessar o site: www.parkidiomas.com.br



terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Três dicas para escolher uma franquia sem erros


Consultor Marcus Rizzo, da Rizzo Franchise, dá três dicas preciosas para quem pretende investir em uma franquia em 2015



Marcus Rizzo
Franquia é a opção para quem quer ter o próprio negócio, mas não tem experiência no assunto. Por ser um empreendimento formatado e com regras bem definidas, os riscos podem ser minimizados, entretanto, não existem garantias de sucesso assim como em qualquer negócio. Porém, se alguns cuidados forem tomados os riscos podem ser minimizados quando se procura uma rede para se tornar franqueado. 

Conhecimento é essencial. Por meio da taxa de franquia e dos investimentos iniciais exigidos para o negócio você vai investir uma boa quantia de dinheiro na franquia e no franqueador. Além disso, também vai, por meio de contrato, estabelecer um relacionamento comercial de longo prazo e assim como em um casamento, conhecer o futuro parceiro a fundo é muito importante para evitar arrependimentos futuros.

Também é importante conhecer a fundo quem são os dirigentes que administram a empresa e, principalmente, como se envolvem no negócio. Avalie o quanto e como esta empresa está orientada e preparada para lhe dar suporte na operação de um negócio que você não conhece.

Se você já conhece o seu parceiro, ou seja, o franqueador, porque não conhecer o resto da família antes de oficializar o casamento? Veja a lista dos franqueados que deve estar na Circular de Oferta de Franquias (COF) que o franqueador deve lhe entregar antes da assinatura de contrato, incluindo aqueles que se desligaram do negócio. Entre em contato com eles, pois essas pessoas são a sua melhor fonte de referência sobre todo o suporte e apoio fornecido pelo franqueador e de como é o negócio da franquia na sua operação diária. Lembre-se de conversar com mais de um para ter bastante informação e pontos de vista. 
Por fim, tenha sempre em mente que a franquia não é um negócio totalmente garantido. Como foi dito no início, por ser um negócio formatado, pode existir a sensação de que por ser uma franquia é de alguma forma um negócio de sucesso fácil. Na verdade será você quem vai decidir se o negócio é de sucesso ou não. Franquia é um sistema de negócio que tem se mostrado como um gerador de lucros, mas precisa ser corretamente trabalhado. E a palavra chave aqui é trabalho. Como qualquer outro negócio, uma franquia exige muito trabalho e empenho.