segunda-feira, 26 de maio de 2014

Contém1g reduz investimento de lojas e quiosques e terá 60 novos pontos de venda em 2014

A rede também vai abrir lojas de rua e cidades a partir de 50 mil habitantes passam a fazer parte do plano de expansão

A Contém 1g anuncia que a partir de 2014 vai reduzir o valor do investimento de suas lojas e quiosques para quem adquirir uma franquia da marca. As lojas, cujo investimento total era de R$ 343 mil, passam a custar a partir de R$ 195 mil e os quiosques, de R$ 167 mil passam a custar a partir de R$ 135 mil. Segundo Rogério Rubini, presidente da empresa, o principal objetivo é acelerar a expansão para cumprir a meta de 60 novos pontos de venda este ano.

As principais mudanças realizadas pela Contém 1g para conseguir a redução do investimento das franquias estão relacionadas com a remodelagem do layout das lojas. “Sempre buscamos o que havia de primeira linha em móveis e projetos arquitetônicos, mas após o estudo que acabamos de concluir e uma série de novas negociações, conseguimos fornecedores que oferecem a mesma qualidade em mobiliário, porém com valores bem mais condizentes com a realidade do mercado atual”, explica Rubini. “Além disso, nosso mobiliário anterior precisava ser montado em cada loja, o que aumentava os custos com o transporte e montadores, que precisavam viajar para todo o Brasil. Agora, o mobiliário já vem montado em nichos para cada linha de produtos e não há a necessidade de enviar montadores, diminuindo consideravelmente os gastos para os franqueados”, completa ele.

Outra novidade da Contém 1g para este ano será a implantação de lojas em cidades a partir de 50 mil habitantes, que no plano de expansão anterior não eram contempladas, e a abertura de lojas de rua e não somente em shopping centers, como antes. “A partir de agora, seremos mais flexíveis com pontos comerciais potenciais, menores que a metragem mínima de 40m² que era exigida anteriormente”, afirma Rubini.

A Contém1g faturou R$ 153 milhões em 2013 e a previsão de crescimento para este ano é de 25%.

Ficha técnica – CONTÉM 1g:
Investimento total (loja): a partir de R$ 195 mil
Investimento total (quiosque): a partir de R$ 135 mil
Taxa de franquia: R$ 30 mil (loja) e R$ 15 mil (quiosque)
Taxa de Royalties: 20% já incluídos no valor do produto para ambos (loja e quiosque)
Taxa de Propaganda: 3% sobre o faturamento bruto (loja e quiosque)
Metragem da loja: 30m²
Faturamento médio mensal: R$ 70 mil (loja) e R$ 50 mil (quiosque)
Lucratividade: 12 a 20% (loja e quiosque)
Retorno do investimento: 24 a 36 meses (loja e quiosque)
Informações: www.contem1g.com.br




terça-feira, 20 de maio de 2014

Única rede de franquias de podologia da Feira da ABF, Doctor Feet espera grande procura de candidatos no interior do país

Nicho de mercado ainda inexplorado em diversas cidades do Brasil, os serviços de tratamentos para os pés serão levados pela Doctor Feet para todos os públicos

Quando a Doctor Feet - franquia de serviços e produtos de tratamentos para os pés – foi criada há 15 anos, muita gente tinha receio de entrar nas lojas porque achava que os serviços poderiam ser caros demais ou para um público específico, com necessidades especiais para tratamentos. Com a expansão da rede, hoje a Doctor Feet, que possui 74 lojas espalhadas por todo o país, já é conhecida por ser uma loja que atende todos os públicos e bolsos, inclusive homens que antigamente eram a minoria dos clientes.


A partir deste ano, a empresa pretende conquistar todo o Brasil, não somente nas capitais, como em cidades potenciais do interior de São Paulo e demais Estados. “Nossa rede está consolidada, a partir de agora basta continuarmos a reproduzir nosso modelo de sucesso e poder oferecer nossos serviços em todos os lugares onde os tratamentos para os pés ainda não são tão profissionalizados”,  explica Jonas Bechelli, proprietário da Doctor Feet.

Hoje a rede já fatura R$ 48 milhões e atende mais de 60 mil clientes por mês. Um dos grandes diferenciais da rede é o treinamento dos profissionais, que são encaminhados a cursos do SENAC, um dos melhores na área de podologia no Brasil. Para abrir uma franquia da Doctor Feet é necessário um investimento de cerca de R$ 290 mil, já com a Taxa de Franquia.  “O faturamento de nossas lojas é acima de R$ 60 mil/mês, com uma lucratividade de 20% para os franqueado”, detalha Jonas, que espera um crescimento de 20% no faturamento até o final deste ano.

         
Os serviços da Doctor Feet
Os serviços de podologia são os preventivos e corretivos. Dentre eles, há o Tratamento Tradicional (que inclui o corte técnico das unhas, remoção de calos e calosidade e massagem relaxante), Reflexologia, Hidratação com parafina, Aplicação de Órteses, Aplicação de Fototerapia, Tratamento para Olho de Peixe, Calos Infeccionados, entre outros. Há também os serviços de manicure, onde a profissional adota os mesmos cuidados no manuseio do material, que é lavado em cuba ultrassônica e esterilizado em auto-clave. Preocupada em atender 100% das normas da Vigilância Sanitária, a Doctor Feet utiliza em suas cabines individuais de atendimento o mesmo piso de centros cirúrgicos, além de cabines maiores para pacientes com necessidades especiais. Há também a venda de produtos médicos, ortopédicos e estéticos, todos registrados e homologados pelo Ministério da Saúde, que servem como coadjuvantes nos tratamentos de podologia.



Doctor Feet – Ficha Técnica
Investimento total (fora o ponto, incluindo a Taxa de Franquia): R$ 290 mil
Capital de Giro: R$ 30 mil
Taxa de Franquia: R$ 62 mil
Taxa de Royalties: 5% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda: R$ 2,5% sobre o faturamento bruto
Metragem das lojas: 30 a 60m²
Faturamento esperado: R$60 mil (lojas de shopping e de rua)
Ticket Médio: R$ 80,00
Retorno do Investimento: 36 meses
Número de funcionários por loja: cerca de 12
Tempo de contrato: 120 meses
Informações sobre a franquia: www.doctorfeet.net



Rede Brasil Aluguel de Veículos chega a Cuiabá e empresário está otimista com a chegada da Copa do Mundo

Nova locadora de automóveis vai oferecer diferenciais aos clientes que não são encontrados em nenhuma outra da cidade

    O empresário Amadeu Oliveira da Silva tem 55 anos e sempre quis investir no mercado de locação de automóveis. Com vasta carreira na área comercial em Cuiabá, o empreendedor buscava, porém, uma empresa que pudesse oferecer algo a mais do que o mercado local já oferecia. No início deste ano, conheceu a rede de franquias Rede Brasil Aluguel de Veículos, que já possui 18 unidades espalhadas por diversas cidades brasileiras e acaba de inaugurar sua franquia no bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá.

    “Desde o começo, o suporte que foi apresentado e prestado pela Rede Brasil Aluguel de Veículos não se equipara a outras redes de locadoras. Eles passam a segurança de uma marca forte e bem constituída. Um negócio sólido e é isso que eu buscava nesse meu novo empreendimento”, declara Amadeu, que está bastante otimista com o aquecimento do mercado de Turismo em Cuiabá, que será uma das cidades sede da Copa do Mundo.

    A Rede Brasil Aluguel de Veículos também vai oferecer uma série de diferenciais aos clientes de Cuiabá e região. É a única locadora que leva o automóvel onde o cliente está e depois vai buscá-lo onde for mais cômodo para ele, além de realizar coletas e entregas de encomendas, tornando-se uma alternativa a táxis e transportadoras, com muito mais agilidade e segurança para os clientes. Outros serviços exclusivos são: atendimento a eventos, passeios e city tour e diárias com motoristas, inclusive bilíngues.


Rede Brasil Aluguel de Veículos – Unidade Cuiabá
Av. Aclimação, esquina com a Rua das Pérolas – Bairro Bosque da Saúde
Tel.: (65) 3653-2091


segunda-feira, 19 de maio de 2014

Uma franquia que cabe em qualquer cidade e em qualquer cantinho



Mr. Kids  - franquia de máquinas de brinquedos, adesivos, balas e chicletes permite aos franqueados instalar o negócio em qualquer lugar, com alta lucratividade e pequeno investimento

            Máquinas portáteis, que cabem em pequenos espaços ociosos dentro de supermercados, shoppings, galerias comerciais ou qualquer lugar onde haja grande circulação de pessoas – e principalmente de crianças. Basta inserir moedas e girar mecanicamente a manivela para caírem os brinquedos (bolinhas, mini-personagens , chaveiros e adesivos) ou balas e chicletes, que custam de R$ 1,00 a R$ 3,00. Esta é a franquia da Mr.Kids, que já possui 64 franquias e está de olho em cidades de qualquer porte, uma vez que as máquinas precisam de um espaço mínimo para a instalação dentro dos comércios locais já existentes.

            Devido ao baixo valor do investimento – a partir de R$ 19 mil, a Mr. Kids é uma típica franquia, tanto para quem deseja complementar a renda, já que o negócio não exige dedicação em tempo integral, como para quem tem a ambição de ganhar cada vez mais, pois depende do desbravamento de novos locais para a instalação de máquinas para ganhar cada vez mais.

            Para garantir qualidade e diferenciais no mercado, a Mr. Kids possui uma parceria de importação com uma empresa fabricante das máquinas no Canadá, que fornece os equipamentos para a Mr. Kids e produtos licenciados de personagens para os brinquedos colecionáveis, entre eles Warner, Disney, Marvel, entre outros. “Agora, no período da Copa do Mundo, estamos lançando bolinhas com as bandeiras de todos os times, chaveiros e adesivos das bandeiras dos participantes do Mundial”, conta Antonio Chiarizzi, proprietário da rede.

Dependendo do número de máquinas e dos modelos escolhidos pelos franqueados, o faturamento mensal pode variar de R$ 2.450,00 a R$ 50 mil ou mais. Mas é na rentabilidade que está o grande retorno: de 40 a 50% sobre o faturamento, uma das maiores do mercado. “Como não cobramos Royalties e não há a necessidade do franqueado ter um ponto comercial nem funcionários, os ganhos são muito interessantes”, completa Chiarizzi.

A rede faturou em 2013 R$ 2,8 milhões e a expectativa para este ano é um crescimento de 48% no faturamento e a abertura de mais 55 franquias em todo o Brasil.

Mr. Kids – Ficha Técnica
Investimento Total: R$ 19 mil
Taxa de Franquia: R$ 8 mil
Taxa de Royalties: não cobra
Taxa de Propaganda: não cobra
Faturamento médio mensal: de R$ 2.450,00 a R$ 50 mil ou mais
Lucratividade: de 40 a 50%
Número de Funcionários: 0
Retorno do Investimento: 15 meses
Prazo do contrato: 3 anos
Contato da Franqueadora: franquia@mrkids.com.br ou 11 5058-2111


quinta-feira, 15 de maio de 2014

Antes que o inverno chegue cuide dos pés para curtir com saúde a estação mais fria e elegante do ano


No inverno por conta dos sapatos fechados, de salto alto e bico fino as mulheres tendem a sofrer mais


Fechados e algumas vezes apertados dentro de um belo par de botas de salto ou mesmo em um tênis quentinho, os pés de homens e mulheres merecem atenção especial no inverno quando fungos e bactérias aproveitam-se do ambiente propício (quente e úmido) para proliferar e causar doenças.

Após o final do verão, estação em que os pés ficam à mostra e que por isso recebem mais cuidados, é até normal que as pessoas esqueçam de cuidar dos pés quando a temperatura cai e eles ficam escondidos em calçados fechados, porém, é aí que mora o perigo, conforme a podóloga Cristina Lopes, coordenadora técnica da rede de podologia da Doctor Feet – franquia de serviços e produtos de tratamentos para os pés. 

No ambiente úmido e quente proporcionado pelas meias quentes, os pés suam mais e se formam umas verdadeiras estufas para que bactérias e fungos se proliferem causando doenças e mau cheiro.  Para evitar micoses, o ideal é fazer a assepsia (limpeza) com loções e cremes específicos sem esquecer, claro, de sempre secar muito bem os pés e entre os dedos após o banho. “Outro cuidado que precisamos ter é com relação à higienização dos calçados e o uso de meias de algodão que absorvem a transpiração”, lembra Cristina.

Outro problema enfrentado é a unha encravada causada pelo corte inadequado dos cantos. “É possível corrigi-lo com a utilização de aparelhos fabricados em fibra molecular ou órtese elastodôntica”, informa Cristina. O equipamento é colocado por cima da unha com o objetivo de corrigir seu crescimento. O tratamento dura de dois a três meses.

É no inverno também que os calos costumam incomodar ainda mais. Duros, sensíveis ao toque e arredondados, eles se desenvolvem nas saliências ósseas da parte de cima dos dedos dando ao pé aspecto descuidado. “Nesses casos, é importante que as pessoas procurem atendimento especializado”, encerra.



Como não perder dinheiro durante e após a Copa do Mundo


Especialista em redução de custos para empresas dá dicas de como se preparar para este período sem ter prejuízo nas vendas e na produtividade

    Muito tem se falado sobre aquecimento das vendas de diversos setores da Economia durante a Copa do Mundo no Brasil, mas e os eventuais prejuízos que as empresas podem sofrer neste período e inclusive após a Copa? Como fazer um planejamento para manter o caixa estável, mesmo com diversos feriados e os consumidores dispersos? Mais até do que isso: qual será o custo da hora não produtiva nos dias de jogos do Brasil? A simples compensação de horas dos colaboradores será suficiente para gerar o mesmo nível de produção, serviços e vendas? E após a Copa do Mundo? Quais serão os reflexos das margens de lucros?

    Para ajudar as empresas no planejamento e execução de ações que podem impedir prejuízos e não deixar que a competitividade fique comprometida, o especialista Fernando Macedo, da ERA – Expense Reduction Analysts, consultoria em redução de custos para empresas, dá algumas dicas de como implementar atitudes simples, porém extremamente eficientes:

1.    Adapte-se ao clima, quanto mais ignorar a Copa maiores serão seus problemas com seus colaboradores. Promova um acordo prévio, não deixe simplesmente para “compensar horas” depois (atenção com os dissídios das categorias);

2.    Revise sua estrutura de custos de infra estrutura, busque um modelo de “hibernação”, trabalhando no mínimo de suas necessidades;
3.    Renegocie para este período específico os contratos de prestação de serviços (caso a caso) com base na Tabela de jogos da Copa;

4.    Ao invés de renegociar prazos de entrega mais dilatados, tente reduzí-los;

5.    Esteja atento à gestão de seus estoques: seu equilíbrio determinará a retomada de rotina sem percalços após a Copa;

6.    Cuidado com os excessos em eventos promocionais:  convidar um cliente (ou vários) para ver o jogo pode sair caro;

7.    Incentive a integração, afinal os adversários são distantes. Capitalize a euforia natural do momento como motivação para sua empresa;

8.    Crie um plano de contingência considerando pontos chaves do seu negócio.


quarta-feira, 14 de maio de 2014

Rodízio aumenta vida útil de pneus e garante economia para o motorista

Todo mundo já ouviu falar do rodízio de pneus, mas poucos sabem como fazer corretamente e os problemas que podem se arrumar quando o rodízio é feito de forma errada.  Antonio Cesar Costa, consultor da Oficina Brasil – maior rede de franquias de serviços automotivos – tira as dúvidas e ensina como fazer  esse rodízio que visa equalizar o desgaste dos pneus e com isso aumentar sua vida útil.

O remanejamento dos pneus no carro é indicado porque os compostos não se desgastam de forma uniforme.  Devido a maioria dos carros ser tracionada pela dianteira, os pneus da frente tendem a desgastar mais rápido que os traseiros, pois além da força de tração também são eles que direcionam o carro para os lados. 



Inverter as posições ajuda a equilibrar o desgaste. Conforme Antonio Cesar, O rodízio de pneus deverá ser feito pelo menos a cada 10mil km. Mas, só inverter as posições não é o suficiente, no momento do rodízio deverão também ser verificados o balanceamento e o alinhamento, contribuindo assim para a preservação dos pneus.

O rodízio deverá seguir uma regra muito simples. Nos carros com tração dianteira, que são a grande maioria no mercado atual, os pneus traseiros deverão ir para a roda dianteira sem mudar o lado, já os dianteiros deverão ir para a traseira no sentido cruzado, ou seja, o dianteiro direito irá para a traseira esquerda e o dianteiro esquerdo para a traseira direita. Nos veículos com tração traseira, são os pneus da traseira que deverão ser cruzados quando vierem para frente.

Mas fique atento, pois nem todos os pneus são iguais. “A exceção dessa regra é somente para os pneus unidirecionais, o que obriga a mudança de lado para manter-se o sentido de rodagem. No mercado existem pneus multidirecionais e unidirecionais. Os multidirecionais podem rodar em qualquer sentido, já os unidirecionais só podem rodar em um único sentido”, explica o consultor.

Para agendar uma revisão gratuita, basta ligar para 0800 19 9977 ou acessar: www.redeoficinabrasil.com.br


Passo Fundo sediará evento para quem deseja comprar uma franquia

Evento gratuito é realizado pela prefeitura e terá palestra de um dos mais conceituados especialistas em Franchising de São Paulo

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Passo Fundo acaba de realizar uma parceria com a Rizzo Franchise – uma das empresas de consultoria de pesquisas do Franchising de toda a América Latina – e promove, no próximo dia 21/05, a partir das 19h30, na Sede do Sincomercio de Passo Fundo, o evento “Como Comprar Sua Franquia Com Segurança”, com o especialista Marcus Rizzo, de São Paulo/SP.

O evento é gratuito e destinado a todos os empreendedores e interessados em abrir o próprio negócio em Passo Fundo e vai abordar os seguintes temas:

•    Os números do desempenho do Franchising no Brasil, no Rio Grande do Sul e em Passo Fundo
•    Cidades do Rio Grande do Sul mais promissoras para instalar uma franquia
•    Você tem perfil para ser um franqueado?
•    Como encontrar a franquia ideal para você
•    As vantagens e os desafios do dia a dia de um franqueado
•    Como avaliar se a franquia escolhida é um bom negócio

O evento contará, ainda, com a participação da proprietária da Pasteca - rede de fast food de pastéis de Chapecó/SC, Miriam Felippi, que falará de sua experiência como franqueadora e a chegada da Pasteca a Passo Fundo e também do franqueado da Cacau Show de Passo Fundo, Marcio Pruss, que abordará os desafios do dia a dia de um franqueado.

Evento: Como Comprar Sua Franquia Com Segurança
Data: 21/05/2014 – quarta-feira
Horário: Das 19h30 às 22h00
Local: Sincomercio Passo Fundo – Rua Bento Gonçalves, 190 – Centro
OBS.: Não há necessidade de realizar inscrições ou confirmações prévias



terça-feira, 13 de maio de 2014

Executivo acostumado a frequentar podóloga cria rede de franquias

Executivo acostumado a frequentar podóloga cria rede de franquias que hoje já conta com 74 unidades

 

Proprietário da rede DOCTOR FEET identificou oportunidade em nicho de mercado inexplorado e vai abrir mais 10 franquias este ano, quando a rede completa 15 anos de existência


    Jonas Bechelli começou a trabalhar aos 14 anos na rede de farmácias de manipulação de seu pai e sempre foi cliente assíduo de serviços de podologia. Quando completou 21 anos, resolveu ser empresário e montou a primeira loja de tratamento para os pés na Zona Leste de São Paulo. A partir daí não parou mais. Chegou a ter 10 lojas próprias e resolveu iniciar a expansão por meio da venda de franquias. Hoje, com uma rede consolidada que já possui 74 unidades, o empresário comemora o sucesso dos 15 anos da Doctor Feet – franquia de serviços e produtos de tratamentos para os pés, que este ano vai ganhar mais 10 novas franquias. “Eu percebia que não havia serviços padronizados num varejo profissional de podologia, a maioria dos podólogos era autônomo e trabalhavam em salões de beleza”, explica Jonas. “Assim como eu, muita gente hoje precisa de tratamentos específicos para os pés, por isso achei que este tipo de varejo atrairia muita gente”, diz o empresário.


    E ele acertou em cheio. Após 15 anos, a rede Doctor Feet já fatura R$ 48 milhões e atende mais de 60 mil clientes por mês. Este ano, pretende chegar a Estados onde ainda não possui lojas, como Minas Gerais, Paraná e Ceará, além de cidades do interior que possuem público potencial para o negócio. Um dos critérios para a escolha das cidades onde a franquia pode chegar, segundo o empresário, são localidades onde o SENAC dispõe de cursos de podologia. “Com isso otimizamos o treinamento dos funcionários, diminuindo custos de viagens, por exemplo”, esclarece.

    Outro fator responsável pelo sucesso e desempenho das franquias é a ampliação do público-alvo dos serviços de podologia. “Antigamente, cuidar dos pés era algo específico para as mulheres. Hoje, o número de homens e mulheres que procuram um podólogo é praticamente igual, na faixa dos 35 aos 75 anos. Isso tem ajudado no aumento do faturamento de nossas lojas, que hoje é acima de R$ 60 mil/mês para lojas de rua e R$ 100 mil/mês para lojas de shoppings, com uma lucratividade de 20% em ambos os casos”, detalha Jonas.

    Para abrir uma franquia da Doctor Feet é necessário um investimento de cerca de R$ 290 mil, já com a Taxa de Franquia. Neste valor não está incluído o ponto comercial. A expectativa da rede é crescer 20% no faturamento até o final do ano.

Os serviços da Doctor Feet
Os serviços de podologia são os preventivos e corretivos. Dentre eles, há o Tratamento Tradicional (que inclui o corte técnico das unhas, remoção de calos e calosidade e massagem relaxante), Reflexologia, Hidratação com parafina, Aplicação de Órteses, Aplicação de Fototerapia, Tratamento para Olho de Peixe, Calos Infeccionados, entre outros. Há também os serviços de manicure, onde a profissional adota os mesmos cuidados no manuseio do material, que é lavado em cuba ultrassônica e esterilizado em auto-clave. Preocupada em atender 100% das normas da Vigilância Sanitária, a Doctor Feet utiliza em suas cabines individuais de atendimento o mesmo piso de centros cirúrgicos, além de cabines maiores para pacientes com necessidades especiais. Há também a venda de produtos médicos, ortopédicos e estéticos, todos registrados e homologados pelo Ministério da Saúde, que servem como coadjuvantes nos tratamentos de podologia.

Doctor Feet – Ficha Técnica

Investimento total (fora o ponto, incluindo a Taxa de Franquia): R$ 290 mil
Capital de Giro: R$ 30 mil
Taxa de Franquia: R$ 62 mil
Taxa de Royalties: 5% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda: R$ 2,5% sobre o faturamento bruto
Metragem das lojas: 30 a 60m²
Faturamento esperado: R$60 mil (lojas de shopping e de rua)
Ticket Médio: R$ 80,00
Retorno do Investimento: 36 meses
Número de funcionários por loja: cerca de 12
Tempo de contrato: 120 meses   


segunda-feira, 12 de maio de 2014

Período Pré Copa do Mundo faz algumas empresas faturarem mais do que durante o próprio evento

Período onde os preparativos finais movimentam as cidades-sede dos jogos no Brasil incrementam os lucros de empresas que oferecem produtos e serviços para turistas



    Enquanto muitas empresas ligadas ao setor de Turismo estão aguardando o início da Copa para engordarem o faturamento, algumas já começam a aquecer as vendas no período chamado de pré-copa, que tem início aproximadamente 2 meses antes do evento e atingem o seu ápice conforme vai chegando a data de abertura. São empresas que fornecem produtos e serviços durante os últimos preparativos, quando aumenta a correria para deixar tudo em ordem nas cidades-sede dos jogos.

    Uma das empresas que esperam um crescimento de até 30% nas vendas neste período é a Rede Brasil – rede de franquias de aluguel de veículos, que possui 18 unidades e já está sentindo os efeitos positivos nas vendas. “Nosso mercado fica aquecido justamente durante os preparativos para a Copa do Mundo, quando há grande movimentação de empresas e pessoas em obras de construção e urbanização, organização de acessos e infraestrutura e tudo o que envolve a mobilização de serviços para receber um evento de grande porte como este”, explica Paulo Nemer, proprietário da rede. Segundo o empresário, o mesmo deverá acontecer em 2016, quando o Brasil sediará as Olimpíadas.

    Outra empresa que deve ter um salto nas vendas é a Primicia, fabricante e rede de franquias de malas e acessórios. “É justamente nos últimos preparativos para viagens de negócios e turismo, que as pessoas correm para fazer compras. Nossos artigos, portanto, são fundamentais nessa hora”, ressalta Roberto Postel, diretor superintendente da Primicia, que espera um aumento de 20% nas vendas no período Pré Copa do Mundo.

    Mesmo com o otimismo do aumento nas vendas, nenhum dos empresários, porém, realizou grandes investimentos para aguardar a Copa do Mundo. “O mercado estará aquecido, mas fazer altos investimentos neste momento é imprudente, já que o evento tem curta duração”, comenta Nemer, referindo-se a uma possível compra de automóveis para incrementar a frota da rede. “Nossa produção no Brasil já é suficiente para o número de lojas que pretendemos abrir nos próximos anos, não houve a necessidade de ampliar a fabricação de malas na Primicia”, acrescenta Postel.


quinta-feira, 8 de maio de 2014

Em cinco meses Coxinha Du Chef tem seis novas franquias em São Paulo


Osasco inaugura primeiras duas unidades nesta semana. Sucesso do modelo do negócio, com coxinhas servidas em cones com 6 e 12 unidades e superação da meta de faturamento têm atraído interessados de todas as regiões de São Paulo e até do interior do Estado

Os proprietários da franquia Coxinha Du Chef estão rindo à toa. Não imaginavam que em pouco tempo do lançamento da franquia, teriam tantas pessoas interessadas no negócio. Antes mesmo de fechar o primeiro semestre do ano  a empresa comercializou 6 franquias, uma em São Paulo Capital e outras cinco nas cidades Campinas, Jundiaí e Barueri. “Nosso modelo de negócio está tão afinado que conseguimos replicar com sucesso e facilidade”, afirma Renato Iarussi, um dos proprietários da rede.

Segundo os franqueadores, o sucesso do negócio está na localização dos pontos, que sempre ficam em locais com grande quantidade de pedestres e da grande quantidade de coxinhas vendidas por dia. “Cada loja chega a vender quase 5 mil coxinhas por dia e o nosso primeiro franqueado, do bairro da Lapa, já quintuplicou o faturamento previsto em menos de 2 meses de operação. Sinceramente, não imaginávamos que isso iria acontecer”, explica Renato.


A rede, que inaugura nesta semana duas primeiras lojas em Osasco, conta hoje com apenas 5 lojas, mas segundo o franqueador, onde uma unidade é aberta, o alvoroço é geral. “Nosso franqueado da Lapa abriu uma loja bem em frente de um ponto de ônibus, onde sempre há fila de pessoas em horário de pico. Aí, ele prepara os cones, sai da loja e vai vender na fila. Como as coxinhas ficam prontas em apenas 2 minutos, o sucesso da iniciativa é tão grande, que a loja já virou parada obrigatória para muitas pessoas que estão indo ou voltando do trabalho”, afirma o empresário.

A Coxinha Du Chef vai abrir mais 35 lojas este ano, todas com metragem compacta (a partir de 40 m²) e uma operação extremamente simples, onde o franqueado e os funcionários têm apenas o trabalho de receber as coxinhas prontas, fritá-las na hora e servir os clientes. Com um investimento de R$ 110 mil, a loja é montada e equipada para começar a operação em 40 ou 50 dias.

Os produtos são todos servidos em cones de 6 ou 12 unidades: coxinhas salgadas (4 sabores – frango, calabresa, queijo e bife à parmegiana), mini kibe recheado com queijo e as coxinhas doces (2 sabores – doce de leite e brigadeiro). O cone com 6 unidades custa R$ 3,00 e o cone com 12 unidades das coxinhas custa R$ 3,50. Apenas o cone com 12 unidades de mini kibe custa R$ 4,00.

Coxinha Du Chef – Ficha Técnica
Investimento total (com Taxa de franquia) – R$ 110 mil
Taxa de Franquia – R$ 30 mil
Taxa de Royalties – 5% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda – 2% sobre o faturamento bruto
Capital de Giro – R$ 10 mil
Número de funcionários – 3 a 4
Faturamento médio mensal – R$ 40 mil
Lucratividade - 15%
Prazo do retorno do Investimento - 18 meses
Tempo de contrato – 5 anos
Informações: www.coxinhaduchef.com.br


quarta-feira, 7 de maio de 2014

Rede Brasil recebe selo de qualidade ABF pelo quinto ano consecutivo


Em franca expansão e cada vez mais se sobressaindo no mercado de locação de carros, a Rede Brasil conquistou pelo quinto ano consecutivo o Selo de Excelência em Franchising concedido pela ABF- Associação Brasileira de Franchising às marcas que mais se destacaram no ano.

Com serviços exclusivos, como o check-in e check-out em qualquer lugar onde o cliente esteja e também sendo a única locadora que não exige pontos comerciais com pátios de estacionamento para guardar os carros visando a facilidade de ponto comercial para o franqueado, a rede que nasceu em Vitória, no Espírito Santo, e não para de crescer. Só neste ano a marca deve inaugurar 8 novas lojas.

O alvo de expansão da empresa para 2014, além de cidades pequenas, que exigem investimentos inferiores, são capitais que sediarão a Copa do Mundo, como é o caso de São Paulo. Com 18 unidades espalhadas por diversos municípios, a REDE BRASIL é uma oportunidade para ganhar dinheiro sempre que o mercado do Turismo fica aquecido.

Para iniciar o negócio como franqueado, numa cidade de até 250 mil habitantes por exemplo, são necessários apenas 10 veículos e um ponto comercial a partir de 30m². O investimento total neste caso é de R$ 350 mil, já contando com a Taxa de Franquia e os automóveis, que são comprados pelos franqueados com descontos que variam entre 12 e 22%.

    A Rede Brasil foi criada por 3 empresários que vieram do mercado de locação de automóveis de 3 diferentes Estados Brasileiros: Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. O objetivo do lançamento da nova empresa era justamente oferecer ao mercado o que não havia em outras locadoras, tanto para clientes, como para franqueados. Hoje, a rede está presente em 10 Estados Brasileiros e o faturamento de uma loja, com aproximadamente 50 veículos, é de R$ 65 mil.


REDE BRASIL – FICHA TÉCNICA
Investimento total: de R$ 350 mil (cidades com até 250 mil habitantes) a R$ 3,5 milhões (para cidades acima de 1 milhão de habitantes)
Taxa de franquia: de R$ 25 mil (cidades com até 250 mil habitantes) a R$ 90 mil (para cidades acima de 1 milhão de habitantes)
Taxa de Royalties: valor fixo mensal, que varia de R$ 550,00 (cidades com até 250 mil habitantes) a R$ 2.500,00 (para cidades acima de 1 milhão de habitantes)
Taxa de Propaganda: valor fixo mensal, 10% sobre os royalties.
Faturamento médio mensal (1º ano de funcionamento): de R$ 45 mil (cidades com até 250 mil habitantes) a R$ 405 mil (para cidades acima de 1 milhão de habitantes)
Capital de Giro: a partir de R$ 15 mil
Prazo de retorno do investimento: a partir de 24 meses
Número de funcionários: de 3 (cidades com até 250 mil habitantes) a 10 (em cidades acima de 1 milhão de habitantes)
Prazo de Contrato: 5 anos

terça-feira, 6 de maio de 2014

Saiba como cuidar do seu câmbio automático

Cada vez mais comuns nas ruas, os carros com cambio automático podem ser grandes aliados dos motoristas durante os congestionamentos. Oficina Brasil explica principais diferenças entre modelos manuais e automáticos e dá dicas de como cuidar melhor do seu carro

Cada vez mais comuns e com o preço em queda, os carros automáticos crescem na preferência do brasileiro que até meados dos anos 90 não estava nada acostumado com carros sem embreagem. Os automáticos são também são ideais para os congestionamentos das grandes cidades. Mas como cuidar melhor de carros assim? Existem diferenças de tratamento entre os modelos com câmbio manual e os automáticos? Quais?   Pensando nessas perguntas e algumas outras. a Oficina Brasil – maior rede de franquias de serviços automotivos – aponta vantagens e desvantagens do sistema e ainda, dicas de como cuidar melhor do seu automático.

Enquanto no carro manual, a troca de marchas é realizada manualmente através da alavanca de cambio, no carro automático, a troca de marcha é feita automaticamente conforme se acelera ou freia o veículo.  Em um primeiro momento, a ausência do pedal de embreagem causa estranheza no motorista que experimenta um carro assim pela primeira vez. “No carro automático, a troca de marcha funciona de forma diferente, por isso não temos o pedal da embreagem dentro do carro. Nesses carros, temos apenas o pedal do freio e acelerador. Também a alavanca de cambio é diferente”, explica Antonio Cesar Costa, consultor Oficina Brasil.

Entre uma faz grandes vantagens do sistema automático em razão do manual, explica o consultor, é que o ato de pisar na embreagem para a troca de marchas pode ser cansativo principalmente em grandes congestionamentos onde isso acontece centenas de vezes. No carro automático, o fato de não precisar pisar na embreagem, torna o dirigir menos cansativo. Algumas pessoas em razão de problemas físicos, não podem dirigir carros manuais justamente pelo fato de ter que pisar na embreagem.
O preço de um veículo com cambio automático ainda é mais caro que o modelo manual, devido a pouca procura desse sistema no Brasil, porém os preços vem caindo e já existem quase 30 modelos que custam até R$60mil.

Um desvantagem é o consumo de combustível também é maior nos sistemas automáticos, com exceção dos sistemas mais modernos como CVT , por exemplo, porém na contra partida,  a durabilidade do motor é aumentada.

No que diz respeito a manutenção, Antônio Cesar explica que o motorista deve sempre ficar tento ao nível do fluido hidráulico, realizar sua troca e do filtro nos prazos estabelecidos pelo fabricante, ficar atento a qualquer vazamento no sistema e realizar a manutenção sempre que perceber qualquer alteração mesmo que pequena.

Saiba mais sobre a Oficina Brasil
A Oficina Brasil possui 50 unidades espalhadas em diversas regiões é especializada em manutenção de todos os itens da parte de baixo do automóvel (escapamentos, amortecedores, freios, alinhamento e balanceamento, sistema de ar, injeção eletrônica, arrefecimento, suspensão, direção, pneus, troca de óleo, etc.) e dispõe em suas unidades de um ambiente de oficina diferenciado, com recepção climatizada, cyber café, espaço para leitura com mini-biblioteca e TV com programação variada e filmes. O objetivo é oferecer aos clientes momentos de descontração durante a espera pelo reparo do automóvel. 

Para agendar uma revisão gratuita, basta ligar para 0800 19 9977 ou acessar: www.redeoficinabrasil.com.br