sexta-feira, 26 de abril de 2013

Franquias de Campo Grande geram mais de 1.700 empregos diretos em 2012

Crescimento do mercado de Franchising na cidade faz com que muitas redes coloquem Campo Grande como prioridade para expansão em 2013

Campo Grande ocupa o 23º lugar no ranking das 100 melhores cidades para investir em franquias no país, segundo pesquisa realizada pela RIZZO FRANCHISE – maior empresa de pesquisas sobre o Franchising da América Latina. A empresa também apurou que em Campo Grande existem 6 franqueadores ativos, com uma rede de 193 unidades entre próprias e franquias, que, juntas, faturam aproximadamente cerca de R$ 284 milhões anualmente. São 1.720 empregos diretos gerados pelo Franchising mato grossense. No último ano, o mercado cresceu 8,1% em Campo Grande e a perspectiva é que o crescimento se mantenha elevado em 2013, com pelo menos 8,3% de crescimento real.
Este crescimento expressivo do setor tem feito com que muitas redes de franquias coloquem a cidade de Campo Grande como prioritária para expansão este ano. Uma delas é a Oficina Brasil – rede de franquias de serviços automotivos, que possui mais de 50 unidades espalhadas pelo país. A rede Oficina Brasil é hoje a única franquia de serviços automotivos especializada em instalar lojas em estacionamentos de hipermercados. Essa estratégia permite realizar uma parceria que beneficia os clientes do hipermercado e ainda fideliza os demais, através da colocação gratuita de pneus e troca de óleo quando esses itens são comprados no hipermercado onde está situada a loja.
Além do formato de hiper e supermercados, que tem metragem do espaço interno a partir de 280m2 e adequação do espaço interno disponível, a rede também oferece os formatos de loja de rua também a partir de 280m2. Com um investimento que varia de R$ 300 a R$ 400 mil é possível abrir uma franquia da Oficina Brasil de 250 a 300 m², projetadas para um faturamento médio de R$ 100 mil/mês e uma média de 15 a 18% de lucratividade.
A Oficina Brasil segue em forte expansão com lojas de rua em 2013. Possui técnicos treinados em todos os itens de manutenção da parte de baixo do automóvel (escapamentos, amortecedores, freios, alinhamento e balanceamento, sistema de ar, pneus e troca de óleo) e dispõe em suas unidades de um ambiente de oficina diferenciado, com recepção climatizada, cyber café, espaço para leitura com mini-biblioteca e TV com programação variada e filmes. O objetivo é oferecer aos clientes momentos de descontração durante a espera pelo reparo do automóvel. 

Mais informações:
www.redeoficinabrasil.com.br

Oficina Brasil – Ficha Técnica
Investimento total: R$ 300 a R$ 400 mil (já incluída a Taxa de Franquia)
Taxa de Franquia: R$ 60 mil
Taxa de Royalties: 5% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda: 1% sobre o faturamento bruto
Capital de Giro: R$ 30 a R$ 45 mil
Média de faturamento mensal: R$ 100 mil
Lucratividade: 15 a 18%
Retorno do Investimento: 18 a 36 meses
Número de funcionários: 15 a 20
Tempo de Contrato: 5 anos
Informações: www.redeoficinabrasil.com.br

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Bahia lidera número de contratos de empréstimos do Nordeste e CredFácil abre sua primeira loja em Lauro de Freitas

De toda a demanda existente hoje no país para o consumo do crédito, o Norte e o Nordeste foram os responsáveis pela alta de fevereiro deste ano, cujos financiamentos para pessoas físicas e pensionistas cresceram 6,9% em relação ao mesmo período de 2012, segundo o SERASA. De acordo com outra pesquisa recente, desta vez do INSS, a região Nordeste tem o segundo maior consumo por créditos pessoais e consignados do país e o Estado da Bahia é o campeão de contratos. Somente em fevereiro de 2013 foram concedidos 400 mil empréstimos na região e mais de 96 mil foram realizados na Bahia.
De olho nesta demanda, as lojas de crédito, que são mini-agências bancárias que vendem empréstimos e financiamentos de vários bancos, oferecendo uma série de vantagens para os clientes, como juros mais baixos, estão apostando no Nordeste para a expansão de suas redes. Uma delas é a CREDFÁCIL, maior rede de lojas de crédito do país, com 80 unidades, acaba de abrir sua primeira loja na Bahia, no município de Lauro de Freitas e durante todo este ano dará prioridade ao Nordeste para a abertura de novas franquias. “A população da classe C tem recorrido ao crédito cada vez mais porque o poder aquisitivo aumentou e já é possível realizar sonhos que antes eram muito distantes da realidade”, explica André Oliveira, proprietário da rede Credfácil.
Localizada no novo Shopping Passeio Norte, a nova loja da Credfácil oferece para a região um leque de produtos de crédito maior que o encontrado até então no mercado local. Quem está à frente da nova unidade é o publicitário Marcus Lazaro Silva dos Santos.  Ao identificar a carência de serviços e produtos de crédito na região, o empreendedor não teve dúvidas em procurar a franquia. O bom momento econômico do país e as perspectivas de crescimento com eventos como a Copa do Mundo e Olimpíadas também estimularam Marcus a investir no setor.
 A partir de agora, a população de Lauro de Freitas vai contar com uma série de produtos para a melhoria de vida, tais como: Empréstimos consignados (aposentados, pensionistas e funcionários públicos), Empréstimos consignados privados (para empresas com mais de 100 funcionários), Financiamento e refinanciamento de veículos, Financiamento de equipamentos e máquinas agrícolas, Financiamento e refinanciamento de caminhões, Consórcio de imóveis e serviços, Crédito imobiliário, Capital de Giro (com garantia do imóvel), Crédito pessoal com cheque, além de outras opções.

CredFácil  - Lauro de Freitas/BA
Endereço: Shopping Passeio Norte – Av. Santos Dumont, km2,5 – Loja 91
Bairro: Centro
Telefone: (71) 3358-4760


Nordeste tem a segunda maior demanda por empréstimos do país e CredFácil abre sua primeira loja no Maranhão

De toda a demanda existente hoje no país para o consumo do crédito, o Norte e o Nordeste foram os responsáveis pela alta de fevereiro deste ano, cujos financiamentos para pessoas físicas e pensionistas cresceram 6,9% em relação ao mesmo período de 2012, segundo o SERASA. De acordo com outra pesquisa recente, desta dez do INSS, a região Nordeste tem o segundo maior consumo por créditos pessoais e consignados do país. Somente em fevereiro de 2013 foram concedidos 400 mil empréstimos na região.
De olho nesta demanda, as lojas de crédito, que são mini-agências bancárias que vendem empréstimos e financiamentos de vários bancos, oferecendo uma série de vantagens para os clientes, como juros mais baixos, estão apostando no Nordeste para a expansão de suas redes. Uma delas é a CREDFÁCIL, maior rede de lojas de crédito do país, com 80 unidades, acaba de abrir sua primeira loja no Maranhão e durante todo este ano dará prioridade ao Nordeste para a abertura de novas franquias. “A população da classe C tem recorrido ao crédito cada vez mais porque o poder aquisitivo aumentou e já é possível realizar sonhos que antes eram muito distantes da realidade”, explica André Oliveira, proprietário da rede Credfácil.
A primeira loja fica em São Luís, na movimentada Av. Colares Moreira, que oferece para a região um leque de produtos de crédito maior que o encontrado até então no mercado local. Quem está à frente da nova unidade é a advogada Silvianni do Amaral. Com a experiência de quem há 16 anos é gerente bancária e conhece bem o ramo, ela não teve dúvidas para investir em um mercado que cresce a passos largos.
A partir de agora, a população de São Luís vai contar com uma série de produtos para a melhoria de vida, tais como: Empréstimos consignados (aposentados, pensionistas e funcionários públicos), Empréstimos consignados privados (para empresas com mais de 100 funcionários), Financiamento e refinanciamento de veículos, Financiamento de equipamentos e máquinas agrícolas, Financiamento e refinanciamento de caminhões, Consórcio de imóveis e serviços, Crédito imobiliário, Capital de Giro (com garantia do imóvel), Crédito pessoal com cheque, além de outras opções.

CredFácil  - São Luís/MA
Endereço: Avenida Colares Moreira, n°26/A
Bairro: São Francisco
Telefone: (98) 3199-8414


Dídio Pizza em parceria com Prefeitura de São Paulo abre novas inscrições para curso gratuito de pizzaiolos

Mais de 600 pizzaiolos já foram formados e as inscrições para o curso de maio que acontece no CAT Itaquera começam na quinta-feira, dia 2

Estão abertas as inscrições para mais um curso gratuito de pizzaiolos, que terá início no dia 13 de maio em São Paulo. A iniciativa é resultado da parceria entre a Dídio Pizza (rede de pizzarias delivery) e a Semdet (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho), que já formou mais de 600 pizzaiolos e agora abre mais 40 vagas para a quinta turma de 2013. As inscrições vão até o dia 8 de maio.

O curso será dividido em duas partes: entre os dias 13 e 16 de maio serão ministradas as aulas teóricas na unidade do CAT (Centro de Apoio ao Trabalhador) Itaquera  (Rua Gregório Ramalho, 12
das 7h às 18h de segunda a sexta-feira) e no dia 17 de maio será a vez das aulas práticas na unidade da Lapa da Dídio Pizza (Rua Tito, 1274).

O curso forma trabalhadores para pizzarias com possibilidade de contratação na própria rede Dídio Pizza. A primeira parte do curso ensina boas práticas de manipulação de alimentos, vigilância sanitária, higiene pessoal e ambiental, controle de pragas, compras, recebimento e armazenamento, além de regras de segurança do trabalho. A segunda parte, já na cozinha da Dídio Pizza, vai levar os alunos que tiverem 100% de assiduidade e aproveitamento na fase teórica para, literalmente, colocar a mão na massa e preparar pizzas variadas, aplicando os conceitos que aprenderam.

Os critérios continuam os mesmo para que o aluno passe para a etapa prática do curso, como:
•    Assiduidade e pontualidade em todos os dias do treinamento teórico;
•    Não possuir experiência anterior em cozinhas de pizzarias;
•    Estar fora do mercado de trabalho;

Segundo a nutricionista responsável pelo curso, Adriana Rios, a formação é completa: “quem fizer o curso vai sair sabendo como deve se portar em uma cozinha profissional de pizzarias”, explica. , para que os jovens possam entrar no mercado de trabalho e conseguir uma vaga em uma das mais de 4 mil pizzarias existentes na cidade de São Paulo, que só perde para Nova Iorque no consumo de pizzas.

A Dídio Pizza possui 20 anos de existência no mercado paulistano e é conhecida pelas pizzas com o dobro de recheio das demais do mercado. Com 22 unidades em funcionamento, a rede agora parte para a abertura de lojas no interior paulista e continua sua expansão em diversos bairros de São Paulo com a venda de franquias. A rede é famosa por oferecer suas pizzas com o dobro de recheio, se comparadas às outras pizzarias, e em sabores inusitados, como a de Abobrinha na massa 100% integral, a de Mousse de Maracujá, além da premiada Marguerita com Pepperone.

O CAT, da Semdet, possui 31 postos (fixos e móveis) onde o cidadão paulistano pode encontrar o emprego que procura. Com o curso da Didio Pizza, o profissional terá um instrumento a mais na hora em que procurar uma oportunidade de trabalho no CAT. Aqueles que se destacaram no curso poderão também ser aproveitados pela própria rede, porém, todos os alunos participantes já saem
treinados para atuar em uma cozinha profissional de pizzarias, aptos a trabalhar em qualquer uma das mais de 4 mil existentes na cidade.

CURSO GRATUITO DE PIZZAIOLOS – Dídio Pizza e CAT (Prefeitura de São Paulo)
Inscrições: do dia 2 ao dia 8/05 - gratuitamente
Maio: de 13 a 16/05 - parte teórica no CAT Itaquera (Gregório Ramalho, 12
das 7h às 18h de segunda a sexta-feira) e no dia 17/05 - parte prática na Dídio Pizza (unidade da Lapa – Rua Tito, 1274)
Inscrições: no próprio CAT Itaquera, mediante apresentação do RG, CPF, nº do PIS e Carteira de Trabalho.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Le Postiche faz 35 anos e lança projeto ousado

Le Postiche comemora 35 anos e vai abrir mais 35 pontos de venda em 2013

Com lojas mais compactas, rede agora parte para abertura de pontos de venda de rua e as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro estão entre os principais alvos para expansão

Com 250 lojas espalhadas por quase todos os Estados brasileiros e um faturamento que chegou na casa dos R$ 450 milhões no ano passado, a LE POSTICHE – maior rede de varejo de bolsas e acessórios do país – vai expandir este ano com lojas de rua, principalmente nos grandes centros, onde já possui presença absoluta nos shoppings centers e em diversas cidades do interior do Brasil.

Consolidada como a marca que apresenta soluções para o dia-a-dia da mulher moderna e como a primeira a ser lembrada quando o assunto é viagem, a LE POSTICHE vai comemorar este ano 35 anos de fundação e a implantação de 35 novos pontos de venda. Diferente da maioria das redes com mais de 200 lojas, que já não expandem em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro porque já marcaram território nos principais shoppings e não têm mais espaços para novos pontos de venda, a LE POSTICHE resolveu repaginar seu formato, criando lojas mais compactas que permitem ser montadas em ruas com grande fluxo de pessoas. “ Atualmente somos uma das poucas redes de varejo que oferecem oportunidades de investimento em grandes cidades, devido ao reposicionamento de tamanho das lojas, que agora podem ser abertas em pontos comerciais com cerca de 70m², com investimentos menores que variam de acordo com o metro quadrado e o estoque proporcional ao espaço que será instalado”, explica José Carlos Figueiredo, diretor de Expansão.

Alternativa ao sistema de Franchising, a Le Postiche é hoje uma Rede de Valor desde 2001, quando passou a oferecer lojas a investidores que desejam se tornar licenciados. Segundo Figueiredo, a diferença está na forma de parceria com os integrantes da rede, que possuem liberdade de adaptar o mix de produtos às características regionais de cada loja. “São muitos os benefícios dos licenciados. Eles estão ligados a uma rede que fornecerá diversos benefícios em conjunto, inclusive dos próprios fornecedores que repassam percentuais de venda a eles”, completa o diretor.

O investimento para abrir uma loja da LE POSTICHE é de aproximadamente R$ 400 mil, já incluídos neste valor a taxa de adesão da rede, que é de R$ 50 mil e o estoque inicial, que inclui cerca de 2.500 produtos, de acordo com a metragem da loja. Adicionalmente, os licenciados pagam mensalmente uma taxa de manutenção da marca, que é de 4% sobre o faturamento médio da loja e uma taxa de propaganda de 1,5%, também sobre o faturamento médio da loja, direcionada à Associação dos Licenciados Le Postiche.

A LE POSTICHE hoje é uma organização composta por 5 empresas: Rede de lojas próprias (com 72 pontos de venda), Lojas licenciadas (com 178 pontos de venda), Importadora, E-commerce e Centro de distribuição. Cada loja atende, em média, de 800 a 1500 mil clientes ao mês, dependendo da região e o faturamento médio é de R$ 110 mil/mês. A Lucratividade dos licenciados gira em torno de 10 a 12% sobre o faturamento bruto e o ticket médio é de R$ 150,00.
A LE POSTICHE está presente em todos os Estados brasileiros, com exceção de Roraima, Rondônia e Acre. A meta da rede para 2013 é ultrapassar R$ 500 milhões no faturamento até o final do ano.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Estudo da Rizzo Franchise aponta fatores que podem impedir o crescimento das franquias no Brasil

Resultado foi concluído após 2 anos de pesquisas com 117 empresas franqueadoras de diversas capitais do país
A RIZZO FRANCHISE – empresa especializada em pesquisas sobre o mercado do Franchise no Brasil e América Latina – buscou conhecer, junto às empresas franqueadoras de diversos setores, quais foram as principais dificuldades e decisões tomadas ao longo de suas diferentes fases de existência e amadurecimento que impediram um crescimento maior e mais profissional de suas redes.

O estudo teve como principal objetivo detectar os motivos que fazem com que o Brasil, apesar de ser um dos primeiros colocados no ranking mundial de empresas franqueadoras, ainda está muito atrás de países mais desenvolvidos no que diz respeito à expansão e crescimento das redes e à falta de profissionalismo que gera uma série de problemas na justiça com franqueados.

O estudo foi realizado com 117 empresas franqueadoras de diversos setores e em diferentes estágios de crescimento. Diferentemente de qualquer método de tabulação de dados de uma pesquisa comum, este trabalho foi direcionado apenas para que os executivos respondessem, de maneira objetiva, situações atuais ou do passado que levaram as empresas a cometerem erros e, conseqüentemente, sofrerem com problemas que impediram o crescimento e desenvolvimento de suas redes.

O resultado apontou 12 fatores que impedem o crescimento das franquias:

1-    Criação de diversos modelos de franquia
Vários modelos de formato de franquia criados para expandir a rede em localidades menores, sem o perfil adequado, que não comportam o modelo tradicional. São criados, então, os quiosques, franquia compacta, quiosques, displays de produtos, enfim, modelos com investimento menor e mix reduzido de produtos, levando o franqueador a descaracterizar o negócio.

2-    Expansão focada na quantidade e não na qualidade
Tendência para expansão de maneira desordenada, para chegar a um número de unidades franqueadas que possam justificar os custos da empresa franqueadora, sem a preocupação de selecionar corretamente o franqueado e planejar a expansão de maneira profissional. O resultado é a abertura e o fechamento constante de unidades.

3-    “Tropicalização” de franquias
Problema bem parecido com o item número 1, também é uma forma de adaptar a franquia aos gostos de cada região onde se abre uma unidade. Com isso, a empresa vive alterando o mix de produtos, inserindo alguns e tirando outros a cada nova localidade, perdendo escala e ganho de competitividade.

4-    Franqueadores com diversos negócios diferentes que vendem franquias
Depois de ganhar experiência vendendo uma franquia, alguns franqueadores arriscaram criar outras empresas franqueadoras para vender franquias de diversas marcas, com diversos tipos de produtos ou serviços diferentes para diferentes gostos e bolsos. Conclusão: perda de foco e de envolvimento em cada um dos negócios criados.

5-    Falta de experiência na operação de unidades próprias
Grande parte dos franqueadores não tem experiência suficiente para vender franquias, porque sequer operaram unidades próprias tempo suficiente para aprenderem a acertar e errar. Segundo pesquisa da Rizzo Franchise, 13% de todos os franqueadores brasileiros nunca operaram na prática a franquia que vendem.

6-    Licenciamento ao invés de franquias
Para não ter problemas na justiça com a lei do Franchising ou até mesmo por falta de orientação adequada, empresas dizem “licenciar” uma marca, quando na verdade, concedem franquias.

7-    Franquia como canal de distribuição de produtos
Muitos franqueadores no Brasil vêm da indústria, ou seja, industrializam os próprios produtos que os franqueados vendem. Com isso, só enxergam a franquia como canal de distribuição e venda e, não, como um negócio onde o que se vende é a experiência de sucesso no varejo. Recente pesquisa da Rizzo Franchise mostrou que 76% de todos os franqueadores que quebraram nos últimos 10 anos, vendiam produtos para seus franqueados.

8-    Contratação de corretores de franquias
Com o objetivo de acelerar a expansão, franqueadores contratam empresas ou executivos para intermediar o contato entre potenciais candidatos e terceirizar a venda da franquia. Depois, amargam a experiência de não conseguir entregar o que que foi vendido por outras pessoas.

9-    Franquias que dão “filhotes”
Franqueados insatisfeitos podem se juntar, sair da rede e montar outras redes, seja através de cooperativas, seja através de redes concorrentes. Isso normalmente acontece porque a empresa franqueadora não estruturou fornecedores comprometidos com o menor preço para a rede ou é mais uma conseqüência da venda de produtos exclusiva do franqueador para a rede.

10- Ser comprado, ao invés de vender franquias
A tentação de conceder franquias a candidatos com dinheiro, mas sem perfil necessário para ser um franqueado, faz com que franqueadores deixem de planejar a venda de franquias e passem a ser “comprados” de maneira inadequada.

11- Fundo de Propaganda mal administrado
Um dos problemas que mais levam franqueados a recorrer à justiça é o fundo de propaganda administrado de maneira incorreta, sem a transparência necessária e com campanhas que não beneficiam a rede como um todo.

12- Franqueados “problemas”
A incorreta seleção de franqueados traz para rede perfis que normalmente trazem problemas em médio prazo e que, muitas vezes, são irreversíveis.
Os tipos de franqueados “problemas” mais comuns são:
- ex-funcionário
- amigo ou parente
- o investidor
- o empreendedor
- aquele que quer comprar mais de uma franquia logo na primeira vez
- franqueado com experiência anterior no mesmo ramo
- aquele que quer comprar a franquia para a mulher ou para os filhos
- sócios do franqueador
- franqueados que têm outros negócios
- franqueados que têm sócios

Informações para a imprensa e entrevistas com o especialista em Franchising, Marcus Rizzo, entrar em contato com:
11 5581-5658 / 2276-7112
Monica Cintra – monica@ineditasp.com.br
Luane Magalhães – monica@ineditasp.com.br
Gisele Melo – gisele@ineditasp.com.br

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Falta de manutenção do ar quente pode causar problemas de saúde para o carro e para você

Veja as dicas que a Oficina Brasil traz para você cuidar bem do sistema de ar quente do seu carro e passar o inverno aquecido e sem problemas

Com o final do verão a queda da temperatura, os motoristas voltam a usar o sistema de ar quente que torna o veículo mais confortável naqueles dias frios. Mas para que o ar aquecido esteja limpo e não cause danos para a saúde a Oficina Brasil – maior rede de franquias de serviços automotivos – alerta para os cuidados que se deve ter com o sistema.

O sistema de ar quente funciona basicamente captando uma parte do calor gerado pelo motor e o usa para aquecer o veículo através de dutos, um radiador próprio do sistema e um ventilador. Esse radiador utiliza a água quente do motor pra aquecer o ar, que é “jogado” para dentro do veículo pelo ventilador. Por esta razão só é possível utilizar o ar quente, depois que o veículo atingir sua temperatura normal de trabalho.

Após a época de calor, nos primeiros dias em que se liga o ar quente o motorista pode sentir um cheiro diferente no interior do veiculo e isso pode ser um indicio perigoso, pois a proliferação de fungos e bactérias prejudiciais a saúde, principalmente para as pessoas com predisposição a alergias pode causar problemas de saúde, conforme explica o consultor da Oficina Brasil, Antonio Cesar Costa.

Como esse sistema funciona com a água proveniente do arrefecimento do veículo, recomenda-se que esse liquido seja trocado de acordo com as especificações de cada fabricante, em média a cada 30mil quilômetros, evitando-se assim, a corrosão interna e diminuição da vida útil do sistema.  Deve-se também Limpar os dutos de ventilação pelo menos uma vez ao ano. Essa limpeza, além de eliminar fungos e bactérias, retira outras partículas que podem obstruir o radiador do ar quente.

“Como o sistema de ar quente está intimamente ligado ao sistema de arrefecimento a falta de manutenção em todo o sistema de arrefecimento do veículo, como a troca da água com o fluido especificado e verificação periódica do nível no reservatório de expansão localizado junto ao motor evitam dissabores e prejuízos que podem incluir até a perda do motor”, alerta Antonio Cesar.

Outra dica importante é utilizar o ar quente com certa frequência. Se você nuca usa, ligue o sistema pelo menos uma vez por semana. A falta de utilização pode danificar suas peças. A troca do liquido de arrefecimento e verificação de possíveis vazamentos, custa em média R$150. 

Saiba mais sobre a Oficina Brasil

A Oficina Brasil possui 54 unidades espalhadas em diversas regiões é especializada em manutenção de todos os itens da parte de baixo do automóvel (escapamentos, amortecedores, freios, alinhamento e balanceamento, sistema de ar, injeção eletrônica, arrefecimento, suspensão, direção, pneus, troca de óleo, etc.) e dispõe em suas unidades de um ambiente de oficina diferenciado, com recepção climatizada, cyber café, espaço para leitura com mini-biblioteca e TV com programação variada e filmes. O objetivo é oferecer aos clientes momentos de descontração durante a espera pelo reparo do automóvel. 

Para agendar uma revisão gratuita, basta ligar para 0800 19 9977 ou acessar: www.redeoficinabrasil.com.br


quarta-feira, 17 de abril de 2013

Aula prática curso de pizzaiolo

Dídio Pizza em parceria com Prefeitura de São Paulo oferece curso gratuito de pizzaiolos

Mais de 550 pizzaiolos já foram formados e as inscrições para a quinta turma de 2013 que acontece no CAT Itaquera abrem no dia 2 de maio

Novos Pizzaiolos estão saindo do forno em São Paulo. A quarta turma 2013 do curso gratuito de pizzaiolos oferecido através de uma parceria entre a Dídio Pizza (rede de pizzarias delivery) e a Semdet (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho) tem sua aula prática marcada para a próxima sexta-feira, dia 19. A iniciativa já formou mais de 550 pizzaiolos e vagas novas são abertas todos os meses.

A quarta turma de 2013 começou as atividades no dia 15 com as aulas teóricas ministradas na unidade do CAT (Centro de Apoio ao Trabalhador) do bairro Santana (Rua Voluntários da Pátria, 1.553, das 7 às 18h de segunda a sexta-feira) e no dia 19 de abril será a vez da aula práticas na unidade da Lapa da Dídio Pizza (Rua Tito, 1274). Na aula prática poderão ser realizadas imagens como manuseio de alimentos, separação de ingredientes, preparo das pizzas e degustação.

O curso forma trabalhadores para pizzarias com possibilidade de contratação na própria rede Dídio Pizza. A primeira parte do curso ensina boas práticas de manipulação de alimentos, vigilância sanitária, higiene pessoal e ambiental, controle de pragas, compras, recebimento e armazenamento, além de regras de segurança do trabalho. A segunda parte, já na cozinha da Dídio Pizza, vai levar os alunos que tiverem 100% de assiduidade e aproveitamento na fase teórica para, literalmente, colocar a mão na massa e preparar pizzas variadas, aplicando os conceitos que aprenderam.

Os critérios continuam os mesmo para que o aluno passe para a etapa prática do curso, como:
•    Assiduidade e pontualidade em todos os dias do treinamento teórico;
•    Não possuir experiência anterior em cozinhas de pizzarias;
•    Estar fora do mercado de trabalho;

Segundo a nutricionista responsável pelo curso, Adriana Rios, a formação é completa: “quem fizer o curso vai sair sabendo como deve se portar em uma cozinha profissional de pizzarias”, explica. , para que os jovens possam entrar no mercado de trabalho e conseguir uma vaga em uma das mais de 4 mil pizzarias existentes na cidade de São Paulo, que só perde para Nova Iorque no consumo de pizzas.

A Dídio Pizza possui 20 anos de existência no mercado paulistano e é conhecida pelas pizzas com o dobro de recheio das demais do mercado. Com 21 unidades em funcionamento, a rede agora parte para a abertura de lojas no interior paulista e continua sua expansão em diversos bairros de São Paulo com a venda de franquias. A rede é famosa por oferecer suas pizzas com o dobro de recheio, se comparadas às outras pizzarias, e em sabores inusitados, como a de Abobrinha na massa 100% integral, a de Mousse de Maracujá, além da premiada Marguerita com Pepperone.

O CAT, da Semdet, possui 31 postos (fixos e móveis) onde o cidadão paulistano pode encontrar o emprego que procura. Com o curso da Didio Pizza, o profissional terá um instrumento a mais na hora em que procurar uma oportunidade de trabalho no CAT. Aqueles que se destacaram no curso poderão também ser aproveitados pela própria rede, porém, todos os alunos participantes já saem
treinados para atuar em uma cozinha profissional de pizzarias, aptos a trabalhar em qualquer uma das mais de 4 mil existentes na cidade.

Atenção Jornalistas! Os responsáveis pelo curso estarão disponíveis para entrevista.
 A aula prática pode ser gravada e fotografada para sua matéria. Entre em contato conosco e agendamos entrevistas e gravações para sua equipe.

CURSO GRATUITO DE PIZZAIOLOS – Dídio Pizza e CAT (Prefeitura de São Paulo)
Inscrições: até dia 10/04- gratuitamente
abril: de 15 a 18/01 - parte teórica no CAT Santana (Rua Voluntários da Pátria, 1.553, das 7 às 18h de segunda a sexta-feira) e no dia 19 - parte prática na Dídio Pizza (unidade da Lapa – Rua Tito, 1274) das 9h às 12h

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:
INÉDITA COMUNICAÇÃO – assessoria de imprensa da Dídio Pizza
11 5581-5658 / 2276-7112
Contato: Luane Magalhães – luane@ineditasp.com.br

SEMDET-Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho
CAT-Centro de Apoio ao Trabalho
Assessoria de Imprensa -  e-mail: imprensasemdet@prefeitura.sp.gov.br
11-3224-6011


quarta-feira, 10 de abril de 2013

Franquias para trabalhar em casa crescem no país

Franquias para trabalhar em casa crescem no país, mas é preciso muita dedicação para ter sucesso, dizem os franqueadores

Ganhar dinheiro com uma franquia de baixo investimento e trabalhando em casa parece ser, à primeira vista, um excelente negócio por si só. O investimento é bem inferior aos da maioria das franquias que necessitam de ponto comercial, equipamentos e funcionários e, além disso, não há a necessidade, na maioria delas, de trabalhar aos finais de semana, como numa franquia de varejo de produtos e serviços.

Mas, como todo negócio que depende exclusivamente do dono, mesmo com todo o método e formatação do franqueador, as franquias home based, como são chamados esses tipos de negócio, exigem uma dedicação ainda maior dos franqueados, do que os negócios que possuem vitrines com produtos expostos em locais de grande circulação de pessoas.

O Master Franqueado da ERA – Expense Reduction Analysts, uma franquia de consultoria de redução de gastos para empresas, Fernando Macedo, concorda com a afirmação de que as franquias home based não são para qualquer um. “O perfil de nossos franqueados é de pessoas que desejam alcançar uma carreira de sucesso na área de consultoria para empresas. Apesar de tralharem em casa, terão que vestir terno e gravata e agendar reuniões de acordo com os horários dos clientes. Então, apesar das facilidades que terá e custos inferiores a outros investimentos em franquias, é necessário ter muita disciplina para ter sucesso”, afirma o franqueador.

Para o franqueador da BagNews, Salvatore Privitera, uma franquia de publicidade em embalagens ecologicamente corretas, como sacolas, sacos de pão e caixas de pizza, é necessário que o franqueado goste da área de vendas e seja extremamente ativo para conseguir o faturamento esperado. “Nossa franquia não serve para quem deseja trabalhar menos do que trabalhava em outros empregos, ou ainda para quem quer uma atividade extra, como muitas propostas que já recebemos. Ele precisará ter metas e ir atrás dos clientes para alcançar a lucratividade esperada”, explica.

ERA – EXPENSE REDUCTION ANALYSTS (ficha técnica):
Investimento total: R$ 125 mil (já incluída a taxa de franquia)
Taxa de Franquia: R$105 mil
Taxa de Royalties: 18% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda: 2% sobre o faturamento bruto
Capital de Giro: não exige
Número de funcionários: não necessita
Faturamento médio mensal: R$ 15 a 20 mil
Tempo de contrato: 10 anos
Informações sobre a franquia: www.expensereduction.com.br

BAGNEWS (ficha técnica)
Investimento total: R$ 25 mil (já incluída a Taxa de Franquia)
Taxa de Franquia: R$ 12 mil
Taxa de Royalties:
Primeiros 3 meses: isenta
Do 4º ao 6º mês: R$ 350,00
Do 7º mês em diante: R$ 600,00
Capital de Giro: R$ 3 mil
Número de funcionários: não necessita
Faturamento médio mensal: R$ 18 mil
Prazo de Retorno do investimento: 12 meses
Tempo de contrato: 5 anos

terça-feira, 9 de abril de 2013

Franquias do sertor de Negócios & Serviços geram mais de 7 mil empregos diretos em 2012

A RIZZO FRANCHISE – maior empresa de pesquisas sobre o mercado de Franchising da América Latina acaba de divulgar o desempenho do setor de Negócios & Serviços nas franquias no ano de 2012: mais de 7 mil novos empregos diretos foram gerados em diversos varejos de prestação de serviços em todo o país.

A pesquisa também apontou que 1.196 novos empreendedores aderiram a este tipo de franquia no ano passado e o faturamento gerado pelas franquias de serviços foi de R$ 2,7 bilhões em relação a 2011.

Novas franquias de Negócios & Serviços também foram lançadas em 2012: 12 novas empresas  começaram a expandir por meio do Franchising neste setor.

Balanço do setor – Negócios & Serviços:

RECEITA GERADA EM 2012: R$ 40.729 bilhões
RECEITA GERADA EM 2011: R$ 38.029 bilhões
Crescimento de 2,7 bilhões em 2012

TOTAL DE EMPREGOS EM 2012: 104.701
TOTAL DE EMPREGOS EM 2011: 97.668
Empregos gerados em 2012: 7.033

TOTAL DE FRANQUEADOS EM 2012: 16.245
TOTAL DE FRANQUEADOS EM 2011: 15.049
Novos franqueados em 2012: 1.196

TOTAL DE FRANQUEADORES EM 2012: 186
TOTAL DE FRANQUEADORES EM 2011: 174
Novos franqueadores em 2012: 12

Informações para a imprensa:
INÉDITA COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA PARA REDES DE FRANQUIAS
11 5581-5658 / 2276-7112
Contatos: Luane Magalhães – luane@ineditasp.com.br
Gisele Melo – gisele@ineditasp.com.br
Monica Cintra – monica@ineditasp.com.br


segunda-feira, 8 de abril de 2013

Mercado de franquias cresce em Campo Grande e atrai Oficina Brasil

Franquia de serviços automotivos busca investidores na cidade mato grossense, que está entre os 25 melhores mercados para franquias em todo o país

A Oficina Brasil – rede de franquias de serviços automotivos, que possui mais de 50 unidades espalhadas pelo país, tem Campo Grande como foco prioritário de expansão. A cidade aparece entre as 25 melhores para se instalar franquias e tem o setor Automotivo como o mais aquecido desse mercado – o estudo foi realizado pela Rizzo Franchise - empresa de consultoria e pesquisa que há mais de 20 anos realiza pesquisas setoriais em toda a América Latina.

Em Campo Grande existem 6 franqueadores ativos, com uma rede de 193 unidades entre próprias e franquias, juntas essas unidades faturam aproximadamente cerca de R$ 284 milhões anualmente. São 1.720 empregos diretos gerados pelo franchise mato grossense. No último ano o mercado cresceu 8,1% em Campo Grande e a perspectiva é que o crescimento se mantenha elevado em 2013, com pelo menos 8,3% de crescimento real.

Ainda segundo a Rizzo Franchise, depois do setor automotivo, a cidade apresenta como melhores mercados para se instalar uma franquia: saúde e beleza, construção, vestuário e acessórios, livrarias, educação e treinamento, infantil, alimentação e hotelaria e turismo.

A rede Oficina Brasil é hoje a única franquia de serviços automotivos especializada em instalar lojas em estacionamentos de hipermercados. Essa estratégia permite realizar uma parceria que beneficia os clientes do hipermercado e ainda fideliza os demais, através da colocação gratuita de pneus e troca de óleo quando esses itens são comprados no hipermercado onde está situada a loja.

Além do formato de hiper e supermercados, que tem metragem do espaço interno a partir de 280m2 e adequação do espaço interno disponível, a rede também oferece os formatos de loja de rua também a partir de 280m2. Com um investimento que varia de R$ 300 a R$ 400 mil é possível abrir uma franquia da Oficina Brasil de 250 a 300 m², projetadas para um faturamento médio de R$ 100 mil/mês e uma média de 15 a 18% de lucratividade.

A Oficina Brasil segue em forte expansão com lojas de rua em 2013. Possui técnicos treinados em todos os itens de manutenção da parte de baixo do automóvel (escapamentos, amortecedores, freios, alinhamento e balanceamento, sistema de ar, pneus e troca de óleo) e dispõe em suas unidades de um ambiente de oficina diferenciado, com recepção climatizada, cyber café, espaço para leitura com mini-biblioteca e TV com programação variada e filmes. O objetivo é oferecer aos clientes momentos de descontração durante a espera pelo reparo do automóvel. 

Mais informações:
www.redeoficinabrasil.com.br

Oficina Brasil – Ficha Técnica
Investimento total: R$ 300 a R$ 400 mil (já incluída a Taxa de Franquia)
Taxa de Franquia: R$ 60 mil
Taxa de Royalties: 5% sobre o faturamento bruto
Taxa de Propaganda: 1% sobre o faturamento bruto
Capital de Giro: R$ 30 a R$ 45 mil
Média de faturamento mensal: R$ 100 mil
Lucratividade: 15 a 18%
Retorno do Investimento: 18 a 36 meses
Número de funcionários: 15 a 20
Tempo de Contrato: 5 anos
Informações: www.redeoficinabrasil.com.br


Informações para a imprensa:
INÉDITA COMUNICAÇÃO – 11 5581-5658 / 2276-7112
Contato: Monica Cintra – luane@ineditasp.com.br

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Setor de Fast Food ganha mais de mil franqueados em 2012

A RIZZO FRANCHISE – maior empresa de pesquisas sobre o mercado de Franchising da América Latina acaba de divulgar o desempenho do setor de Fast Food nas franquias no ano de 2012: mais de mil pessoas aderiram a este setor no ano passado com a compra de uma franquia da área de Alimentação/fast Food.

A pesquisa também apontou que setor gerou 9.442 novos empregos diretos em 2012 e o faturamento gerado pelas franquias de fast food cresceu 8,70% em relação a 2011.

Novas franquias de fast food também foram lançadas em 2012: 26 novas empresas  começaram a expandir por meio do Franchising neste setor.

Balanço do setor:

RECEITA GERADA EM 2012: R$ 8.311 bilhões
RECEITA GERADA EM 2011: R$ 7.646 bilhões
Crescimento de 8,70% em 2012

TOTAL DE EMPREGOS EM 2012: 140.797
TOTAL DE EMPREGOS EM 2011: 131.355
Empregos gerados em 2012: 9.442

TOTAL DE FRANQUEADOS EM 2012: 12.189
TOTAL DE FRANQUEADOS EM 2011: 11.112
Novos franqueados em 2012: 1.077

TOTAL DE FRANQUEADORES EM 2012: 354
TOTAL DE FRANQUEADORES EM 2011: 328
Novos franqueadores em 2012: 26


terça-feira, 2 de abril de 2013

NOVIDADES DAS FRANQUIAS CLIENTES DA INÉDITA ESTRATÉGIAS

DÍDIO PIZZA – rede de franquias de pizzarias delivery, com 22 unidades em São Paulo (capital, Grande São Paulo e Interior):
A DÍDIO PIZZA vai abrir 15 lojas em 2013 e espera crescimento nas vendas de 75%, com a venda de 600 mil pizzas. O faturamento saltou de R$ 11 milhões em 2011 para R$ 14 milhões em 2012 e o número de clientes já chega a 104 mil ao mês. A rede oferece uma série de diferenciais e possui uma parceria com a Prefeitura de São Paulo para ministrar cursos gratuitos de formação de pizzaiolos. A parceria teve início em 2012 e já formou mais de 500 profissionais.

CONTÉM1G MAKE-UP – uma das maiores redes de franquias de maquiagens
A Contém1g Make-up vai abrir mais 30 pontos de venda em 2013, chegando a quase 200 lojas até o final do ano. O crescimento esperado de 25% está baseado no ousado plano de expansão da empresa, que tem como alvo principal as cidades potenciais acima de 150 mil habitantes no interior de diversos Estados brasileiros. Desde que mudou o seu conceito para lojas e quiosques no modelo Luxo, a empresa investe pesado em tecnologia na área de produtos e gestão de lojas. Hoje, as lojas atendem cerca de 200 mil clientes por mês e geram 1.250 empregos em todo o Brasil. A empresa deve fechar o ano de 2013 com um faturamento de R$ 190 milhões .

CREDFÁCIL – rede de franquias de crédito
Primeira franquia de crédito do país chega a 72 unidades e espera crescimento de 30% no faturamento em 2013. Há 2 anos a rede cresce em ritmo acelerado, com uma média de 20 novas lojas por ano. Seu proprietário, André Oliveira, possui uma história de sucesso muito interessante: começou a vender “geladinho” aos 12 anos de idade e seu sonho quando criança era  “ser dono de banco”. Com 25 anos, abriu a primeira loja Credfácil e conquistou seu primeiro milhão.

BAGNEWS – rede de franquias de publicidade em embalagens (sacolas, sacos de pão e caixas de pizzas)
Uma rede de franquias que proporciona às empresas a oportunidade de anunciarem seus produtos e serviços em mídias regionais, ou seja, no próprio bairro onde atuam. Mais do que isso, anunciar em produtos que entram na casa das pessoas. Para os franqueados, uma oportunidade de franquia de baixo investimento, que não necessita de ponto comercial, nem de custos fixos com instalações ou funcionários. É uma franquia típica para jovens universitários ou recém-formados.

ERA – EXPENSE REDUCTION ANALYSTS (franquia de consultoria de redução de custos para empresas)
A ERA é uma típica franquia para quem tem o desejo de ter o próprio negócio, mas não se identifica com franquias típicas do varejo de Alimentação, Vestuário ou outras, onde há a necessidade de altos investimentos para montagem da operação e compras de estoques, ou ainda, que não possuem perfil para trabalhar no fim de semana em shopping centers ou locais onde o funcionamento requer horários estendidos. Os franqueados fazem seus próprios horários, pois trata-se de uma franquia home based, onde não há  necessidade de investimentos em pontos comerciais ou equipamentos, além de ser uma oportunidade para profissionais que já possuem estabilidade nas empresas para as quais trabalham, mas desejam deslanchar ainda mais em suas carreiras com um negócio próprio.

OFICINA BRASIL – maior rede de franquias de serviços automotivos rápidos
A Oficina Brasil é uma franquia especializada em serviços rápidos de mecânica especializados na parte de baixo do automóvel. É uma franquia que cresceu junto com a expansão de hipermercados, pois foi formatada para ser implantada dentro de estacionamentos de hipermercados, onde há grande fluxo de pessoas, fidelizando os clientes que compram itens automotivos no mercado, como óleo e pneus, realizando a instalação gratuita. Seu plano de expansão prevê várias cidades do interior do Brasil este ano.

UAU! HAIR STUDIO – franquia de salões de beleza para as classes B e C
Trata-se de uma franquia compacta – com cerca de 50 metros quadrados é possível montar um salão de beleza da UAU! Hair Studio, com capacidade para 950 atendimentos/mês e faturamento de R$ 60 mil/mês. A proposta é oferecer serviços básicos, como cabelo, manicure, pedicure e maquiagem, com 12 colaboradores ao todo no salão e preços competitivo aos clientes. O plano de expansão da franquia também é bastante arrojado: serão 38 salões nos próximos 18 meses e, em 10 anos, a rede pretende ter 945 franquias.

LE POSTICHE – maior rede de lojas de bolsas e acessórios para viagens do país
Com 250 lojas espalhadas por quase todos os Estados brasileiros e um faturamento que chegou na casa dos R$ 450 milhões no ano passado, a LE POSTICHE – maior rede de varejo de bolsas e acessórios do país – vai expandir este ano com lojas de rua, principalmente nos grandes centros, onde já possui presença absoluta nos shoppings centers e em diversas cidades do interior do Brasil. Consolidada como a marca que apresenta soluções para o dia-a-dia da mulher moderna e como a primeira a ser lembrada quando o assunto é viagem, a LE POSTICHE vai comemorar este ano 35 anos de fundação e a implantação de 35 novos pontos de venda, com lojas mais compactas e de rua.

E, para complementar as matérias sobre franquias, podemos oferecer todos os tipos de pesquisas sobre o mercado de Franchising, com dados da RIZZO FRANCHISE – maior empresa de pesquisas de toda a América Latina. Com a Rizzo, é possível saber:
- O desempenho do Franchising no Brasil ano a ano (geração de empregos, faturamento, setores que mais cresceram, número de franqueaores, franqueados, etc.)
- Tendências sobre o mercado
- Perfil do franqueado e candidatos a franquia: número de jovens até 30 anos, crescimento das mulheres nas franquias, etc.
- Dicas para pessoas que pretendem abrir uma franquia, os riscos e benefícios do negócio
- Dicas para franqueadores: as taxas de mortalidade das franquias, o que leva uma rede ao fracasso e ao sucesso, etc.
- Desempenho do Franchising por setores: Alimentação, Vestuário, Educação, etc.
- As cidades mais promissoras para a instalação de franquias e os setores que mais crescem em cada uma delas
Ou a pesquisa de acordo com as pautas, para incrementar as matérias com dados ou dicas do especialista Marcus Rizzo, da Rizzo Franchise.


segunda-feira, 1 de abril de 2013

De vendedor de "geladinho" a dono da maior rede de lojas de crédito pessoal do país

André Oliveira, proprietário da Credfácil: De vendedor de "geladinho" a dono da maior rede de lojas de crédito pessoal do país

O menino pobre do interior do Paraná tinha um grande sonho aos 12 anos de idade: dar de presente à mãe o presente que ela mais queria: um conjunto de copos de vidro com jarra. Juntamente com seu irmão, André Oliveira pediu à mãe para fazer “geladinho” – como é conhecido o suco de frutas congelado no saquinho para que eles vendessem, sem contar a ela que o objetivo era realizar o sonho da costureira da cidade de Umuarama. Para que tudo desse certo, ele elaborou um “plano de negócio” que previa: investimento, ponto de equilíbrio e prazo em que o lucro pudesse fazer a surpresa para a mãe. Em pouco tempo, trabalhando todos os dias, conseguiu o dinheiro para o presente.
Mas o sonho do menino ia muito além de ser um vendedor de geladinhos. Todos os dias ele passava em frente da única agência bancária da cidade na época – o banco Bradesco – e ficava admirando os gerentes trabalhando de terno e gravata e pensando: “um dia vou me vestir assim, serei dono de um banco”. Aos 18 anos, conseguiu um emprego no banco e em apenas 3 meses foi eleito o funcionário do mês pela alta produtividade. Nessa mesma época, contou à mãe que iria fazer uma faculdade, mas a mãe o desanimou e disse que ele jamais conseguiria e que não deveria sonhar tão alto, pois não havia dinheiro suficiente nem para abastecer as necessidades da família, quanto mais pagar uma faculdade.
André vendeu de tudo para pagar o curso superior de Administração de Empresas: pão caseiro, fazia barras de calças juntamente com seu pai, que era alfaiate e vendeu até os produtos Avon de porta em porta. Conseguiu se formar.
No banco, o emprego também ia bem. Cuidava da área de operação de crédito para  veículos da divisão Finasa e seus clientes eram as concessionárias, que realizavam financiamentos próprios utilizando os recursos do banco. Aos poucos, começou a fazer relacionamento com os clientes diretos das concessionárias, oferecendo condições especiais caso eles indicassem outros clientes para André. Ele se tornou uma espécie de correspondente bancário e já não precisava mais das concessionárias para atender as pessoas que queriam comprar e financiar automóveis, pois formou uma grande carteira de clientes e foi nessa época que percebeu que poderia fazer isso sozinho, abrindo sua própria empresa.
Decidido a voar sozinho, numa noite sonhou com o nome “Credfácil” e, aos 25 anos de idade, abriu sua primeira loja. Para criar diferenciais que pudessem competir com os bancos, ele anotou todas as deficiências que o atendimento bancário possuía: descaso no atendimento às pessoas que precisavam de empréstimo, falta de atenção e tempo para ouvir as histórias de aposentados, filas e burocracia na exigência e liberação da documentação para aprovação dos créditos. Nascia a Credfácil – uma loja onde os clientes entravam, ganhavam logo um cafezinho e ainda uma carona de volta para casa depois do atendimento. Logo no primeiro ano, em 2004, justamente quando o governo criou a figura do correspondente bancário com a regulamentação do crédito consignado, André Oliveira faturou R$ 1 milhão e abriu 20 lojas próprias no interior do Paraná, todas com o mesmo padrão visual e funcionários uniformizados .
Mas a crise de 2008 fez com que os bancos restringissem os créditos e seu negócio foi diretamente afetado – das 20 lojas que possuía, fechou 18 delas e ele quase quebrou. Mas André tinha feito a lição de casa do curso de Administração e seu plano de negócios contemplava uma previsão de caixa de 6 meses – tempo que ele calculou que uma possível crise poderia durar. E foi exatamente o que aconteceu.
Inquieto e visionário, ele não se conformava, porém, de ter ficado apenas com 2 lojas e, para voltar a crescer, resolveu partir para a expansão por meio de franquias. Mas não sabia nada sobre isso e contratou um advogado que sabia menos ainda para fazer o contrato que seria assinado pelos futuros franqueados. André conta que quando tinha uma rede própria de lojas, muita gente perguntava se poderia ter uma loja igual e não foi difícil abrir franquias. Sem saber o quanto cobrar por cada franquia, chegou a vender lojas por R$ 4 mil apenas. Novamente, em 1 ano, ele chegou a abrir 15 franquias.
Só que, pela falta de formatação de uma empresa franqueadora que pudesse dar suporte à rede, depois de algum tempo, os franqueados se reuniram e foram devolver as franquias, alegando que o negócio não funcionava. André teve que fechar a maioria das lojas e, mais uma vez, quase quebrou.
Foi aí que o empresário resolveu contratar uma consultoria especializada em Franchising e passou 2 anos formatando a empresa para expandir de maneira mais profissional. Hoje, a rede Credfácil é a maior rede de franquias de crédito, com 72 unidades espalhadas pelo país e um faturamento de R$ 25 milhões em 2012. A rede continua expandindo em todo o Brasil por meio de franquias e espera um crescimento de 30% este ano.
André Oliveira mantém 1 loja própria na cidade de Umuarama e faz questão de dar o exemplo aos demais franqueados. É a loja da rede que mais fatura – cerca de R$ 1 milhão ao mês.