terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Especialista financeiro para matérias

O ano de 2013 está para começar e a temporada de balanços e planejamento de orçamento está aberta. Nesta época em as empresas preparam seu planejamento para o ano seguinte, levando em conta investimentos, despesas, receitas e, consequentemente, a lucratividade esperada. Mas será que não existem “ralos”, muitas vezes escondidos, que podem conter fraudes, desperdícios e até ineficiência de alguns profissionais, impedindo o desempenho e o crescimento das empresas?

Para pautas que tratam de planejamento e orçamento, o especialista em redução de gastos para empresas, Fernando Macedo, da ERA – Expense Reduction Analysts, pode conceder entrevistas e dar dicas de como eliminar gastos desnecessários que comprometem a lucratividade das empresas em 2013. Segundo o especialista, alguns indícios que podem levar os empresários a descobrir situações veladas e que estão comprometendo o caixa das corporações. Para isso ele criou um mini manual onde aponta indícios e soluções comuns a todos os portes de empresas.

Informações para a imprensa - Inédita Comunicação Estratégica
Contato:
Luane Magalhães - luane@ineditasp.com.br
Telefones: (11) 5581-5658 / 2276-7112
www.ineditasp.com.br
www.ineditacomunicacao.blogspot.com

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Dídio Pizza abre nova unidade em São Paulo

Vila Mariana recebe a 20ª pizzaria da rede de franquias de pizzarias exclusivamente delivery

A DÍDIO PIZZA – rede de franquias de pizzarias exclusivamente delivery – aposta no crescimento do mercado gastronômico e inaugura sua 20ª unidade no tradicional bairro paulistano Vila Mariana.
Quem está à frente da nova unidade, que abriu suas portas no dia 6 de dezembro é Janio Pinto Ribeiro, 52 anos, empresário que após anos de trabalho como consultor na área de riscos de crédito em um banco multinacional decidiu investir em um negócio próprio. O amor pelas pizzas e pelo bairro, onde nasceu e foi criado, nortearam a escolha na hora de escolher o ramo e local onde investir.
“Estou empolgado com o negócio e vejo boas possibilidades. Na hora em que decidi investir, escolhi a Dídio Pizza porque gosto de culinária e também pelo profissionalismo passado pela franqueadora. Também me agradou muito a mensagem que passam através das lojas: qualidade, limpeza e profissionalismo. Também estou feliz de trabalhar no meu bairro”, conta Ribeiro.
A Dídio Pizza, fundada em 1995, aposta nos diferenciais, como os sabores inusitados Pizza de Mousse de Maracujá e a premiada Marguerita com Peperoni. Conhecida pelas pizzas com o dobro de recheio se comparadas às demais pizzarias, oferece também em seu cardápio, uma linha light de pizzas com massa 100% integral, e entrega todos os dias a partir das 18h.
Todo o processo da Dídio Pizza de elaboração dos produtos é acompanhado por profissionais nutricionistas, para garantir a qualidade e a segurança no manuseio dos ingredientes e a permanência do sabor. A pizza chega à casa dos consumidores de forma ágil através de entregadores motorizados, treinados para serem verdadeiros embaixadores da marca. As entregas são programadas para serem feitas num prazo de, no máximo, 30 minutos.
Com um público fiel, a rede é responsável pela venda de 35 mil pizzas todos os meses. Hoje, são 20 unidades distribuídas pelas cidades de São Paulo, Valinhos, Jundiaí, Campinas e também a região do ABC paulista.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Como eliminar fraudes e desperdícios em 2013

Especialista em redução de gastos dá dicas dos 5 indícios mais comuns que impedem as empresas de terem maiores receitas

    Esta é a época em que as empresas preparam seu planejamento para o ano seguinte, levando em conta investimentos, despesas, receitas e, consequentemente, a lucratividade esperada. Mas será que não existem “ralos”, muitas vezes escondidos, que podem conter fraudes, desperdícios e até ineficiência de alguns profissionais, impedindo o desempenho e o crescimento das empresas?
    Segundo Fernando Macedo, especialista em redução de gastos da ERA – Expense Reduction Analysts, consultoria de origem inglesa que está no Brasil desde 2009, existem alguns indícios que podem levar os empresários a descobrir situações veladas e que estão comprometendo o caixa das corporações. “Já atendemos diversos clientes que queriam reduzir gastos, mas nem imaginavam que havia problemas de fraudes dos próprios colaboradores ou falta de empenho de profissionais que causavam desperdícios significativos”, comenta Macedo.
    Para que as empresas possam se preparar melhor para o ano de 2013, de olho nos gastos desnecessários e, muitas vezes, de condutas duvidosas, a ERA preparou algumas dicas para as empresas:

1-  Cuidado com relatórios gerenciais que contêm informações truncadas, camufladas, ou falta de informações:
É comum alguns departamentos entregarem ao Financeiro da empresa relatórios periódicos que justificam os gastos daquela área. Aumente a vigilância deste departamento se notar:
- Relatórios extremamente resumidos e mal explicados;
- Relatórios sem conclusões e, portanto, sem que os gestores possam validar as informações;
- Relatórios mirabolantes, com muita redação e pouco foco;
- Relatórios viciados, com regras e padrões de longa data, sem revisões atuais.
O QUE FAZER:
- Altere sua rotina de validação de informações periodicamente;
- Valorize os detalhamentos das informações (mesmo que por amostragem);
- Crie novos critérios, inove sua gestão permanentemente;
- Solicite esclarecimentos pontuais (mesmo que não necessários);
- Crie Comitês Multidepartamentais para gestão cruzada de informações.

2- Atenção redobrada com o “caixinha” da empresa:
Todas as despesas devem ser justificadas e é comum os departamentos criarem o “caixinha” – dinheiro extra para “eventualidades” ou emergências, que quase nunca são justificadas nos relatórios. Ou quando são, fazem parte dos custos extras chamados  “outros” ou “diversos”. Segundo o especialista, o caixinha é criado pelas seguintes razões:
- Preguiça, comodismo ou descaso;
- Despesas a título de “disfarçar” um eventual complemento salarial;
- Tentativa de encobrir falhas anteriores;
- Puro interesse pessoal visando benefício financeiro imediato.


O QUE FAZER:
- Criar políticas internas proibindo essas denominações, tudo deve ter sua correta alocação de recursos;
- Centralizar a autorização para exceções;
- Revisar política de cargos & salários + benefícios.

3- Fique de olho nos gastos “urgentes” ou “excepcionais”. Eles podem esconder incompetência.
Normalmente, os gastos deveriam ser planejados e aprovados previamente. O que surge como urgente ou excepcional, normalmente ocorre pelos seguintes motivos:
- Colaboradores incapacitados ou não comprometidos com as demandas internas da empresa;
- Displicência ou inexistência de alçadas superiores;
- Deficiência de processos de compras/contratação de serviços;
- Colaboradores são beneficiados por fornecedores.
O QUE FAZER:
- Mapear todas as exceções e urgências;
- Revisar políticas internas visando criar padrões (eliminando exceções);
- Capacitar colaboradores em todos os níveis da corporação;
- Conscientizar e comprometer os principais gestores;
- Incrementar os níveis de segurança de informações estratégicas;

4- Gastos viciados: ninguém sabe explicar
São gastos que acontecem de forma automática, ao longo de muito tempo, porque criou-se uma filosofia de que a empresa atua daquela forma e nunca ninguém tentou mudar. As expressões mais comuns de colaboradores quando são perguntados sobre a origem desses gastos são:
- “Sempre foi assim”
- “Me mandaram fazer desse jeito”
- “Acho que mudar não resolve nada”
- “Tem gente que não vai gostar”
- “Nenhum outro fornecedor atende nossas necessidades específicas”

O QUE FAZER:
- Revisão permanente dos processos internos;
- Contrate profissionais externos de sua confiança;
- Faça cotações periódicas, mesmo que não venha a contratar;
- Estude a possibilidade de utilizar um rodízio interno entre os gestores

5- Comodidade nos orçamentos estabelecidos
Parece um absurdo, mas muitos departamentos não revisam orçamentos para reduzir gastos, simplesmente por terem medo de receber um “budget” menor ou por comodidade. Alguns exemplos:
- “Meu orçamento deste ano é de R$......., Não posso gastar menos senão no próximo ano ele será reduzido”;
- “Se um determinado montante está dentro do meu orçamento não vou perder tempo negociando com fornecedores/provedores de serviço”;
- “Vou estimar um gasto acima do real porque sei que meus superiores vão cortar na hora de liberar verba”;
O QUE FAZER:
- Controladoria com autonomia total;
- Revisão da política interna visando criação de ferramentas para controles efetivos dos gastos;
- Redução dos prazos de fechamentos;

ATENÇÃO: O Especialista Fernando Macedo, da ERA – Expense Reduction Analysts, está à disposição para entrevistas, inclusive contando experiências de consultorias onde os casos acima foram analisados e resolvidos.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Franquias - Aprendendo a não errar na hora de expandir

Quando o assunto é iniciar a expansão por meio de franquias ou reestruturar uma rede que cresceu sem a estrutura necessária, o melhor passo a ser dado é entender primeiro quais as reais falhas  que desencadeiam os principais problemas das franquias brasileiras nos dias de hoje e aprender com os erros de grandes redes.
O que leva renomadas redes de franquias a cometerem os mesmos erros de diversas empresas franqueadoras do passado que tinham tudo para ser um sucesso e morreram na praia ou amargaram anos de problemas com franqueados na justiça? Por que os erros, que na grande maioria são os mesmos de sempre, continuam se repetindo, levando muitas redes ao fracasso antes mesmo de se consolidarem no mercado? Parece que as afirmativas que frequentam as rodas do Franchising ainda também são as mesmas: “Isso não vai acontecer comigo”, ou “O meu problema é diferente”. Mas, se a base do conceito da expansão por franquias é conceder um negócio de sucesso a quem deseja comprar o kwow how do franqueador (que, em tese, já deveria ter errado e acertado bastante antes de começar a expansão), por que tantas empresas franqueadoras ainda caem nos mesmos erros? Na verdade, os principais motivos são:

- Acreditar tanto no produto ou serviço do negócio e achar que eles são a chave do sucesso de uma expansão, esquecendo que é a estruturação da empresa franqueadora que vai ditar as regras para o sucesso;

- Manualizar os processos do negócio esquecendo detalhes cruciais, que fazem a diferença no dia a dia;- Não planejar adequadamente a expansão, considerando todas as localidades como prioritárias para a instalação de novas unidades;

- Selecionar franqueados que não têm o perfil para operar a franquia, acreditando que sua equipe é capaz de resolver os problemas de relacionamento futuros;

- Adotar métodos de treinamento que são facilmente aplicáveis em muitas empresas, mas não são os adequados para o bom funcionamento de uma franquia;

- Ampliar os canais de distribuição dos produtos para outros varejos além da rede de franquias para capitalizar a franqueadora, esquecendo que o resultado do franqueado depende de seus diferenciais no mercado;

- Modificar o padrão inicial do negócio, com o objetivo de facilitar a expansão e a adaptação em mercados onde não se justifica a abertura de uma unidade como ela foi criada originalmente.

Na verdade, ninguém erra porque quer. O que existe é a falta de percepção dos próprios erros – e das cruéis consequências deles – e, mais ainda, a falta de preparo suficiente para olhar experiências bem ou mal sucedidas que levam a um conhecimento maior das reais necessidades de estruturação da empresa franqueadora. Estar estruturado para expandir a rede e ser um sucesso não é tarefa fácil. Requer dedicação, muito trabalho e, principalmente, troca de experiências.

Dicas do especialista Marcus Rizzo (Rizzo Franchise)

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Dídio Pizza vende mil pizzas por dia em 2012

Balanço da rede com 18 lojas contabiliza 360 mil pizzas vendidas em 2012 e um consumo de quase 85 toneladas de mussarela durante todo o ano

A DÍDIO PIZZA – rede de franquias de pizzarias 100% delivery deve encerrar o ano de 2012 com 360 mil pizzas vendidas com 18 lojas no Estado de São Paulo. Este número equivale praticamente a 1.000 pizzas por dia. “Esses números nos deixam muito satisfeitos, porque são resultados de muitas horas de treinamento intenso com todas as lojas para garantir a qualidade e padrão. Quem experimenta nossas pizzas fica fiel à nossa marca”, explica Elídio Biazini, presidente da Dídio Pizza.
 Com a maior parte das lojas situadas em São Paulo, capital brasileira da pizza e segunda cidade no ranking mundial em vendas de pizzas, o consumo de ingredientes para preparar as redondas espera alcançar números expressivos em 2013: 150 toneladas de mussarela, 105 toneladas de calabresa, 17 toneladas de tomate, 8 toneladas de cebola e 2 toneladas de abobrinha, já que a Pizza de Abobrinha da Dídio Pizza é considerada uma das mais saborosas de São Paulo.
Ainda de olho em 2013, a rede Dídio Pizza espera um aumento de 75% nas vendas e no faturamento, já que a rede também vai crescer em número de lojas abertas. Depois de sair da capital paulista para a abertura de lojas no Grande ABC, Jundiaí, Campinas e Valinhos, a Dídio Pizza dá continuidade à expansão com franquias em toda a Grande São Paulo e Interior com a meta para o ano de alcançar 33 lojas.
Com 20 anos de experiência no mercado de alimentação, a Dídio Pizza oferece diversos diferenciais, como cursos gratuitos de formação de novos pizzaiolos para pessoas que desejam entrar neste mercado de trabalho, foco exclusivamente no delivery, acréscimo de recheio que conta com 200g a mais de ingredientes em comparação a outras pizzarias e sabores inusitados como: pizza de maracujá e uma linha exclusiva de pizzas light com massa 100% integral.  Ainda este ano estão previstas mais duas inaugurações na cidade de São Paulo e Campinas.

FICHA TÉCNICA DA FRANQUIA
- Investimento inicial: R$ 250 mil
- Capital de Giro (incluso no investimento inicial): R$ 20 mil
- Taxa de franquia (inclusa no investimento inicial): R$ 40 mil
- Taxa de royalties 5% sobre Faturamento Bruto
- Taxa de Propaganda: 2% sobre Faturamento Bruto
- Faturamento médio mensal de uma loja: R$ 70 mil no primeiro ano
- Metragem mínima de uma loja 100m²
- Lucratividade do franqueado: Média de 13%

Mais informações: www.didio.com.br

Informações para a imprensa:
INÉDITA COMUNICAÇÃO – 11 5581-5658 / 2276-7112
Contatos: Luane Magalhães – luane@ineditasp.com.br
Monica Cintra – monica@ineditasp.com.br